Segurança segue família dentro de loja em shopping do Rio; mãe aponta: ‘foi racismo’

APOIE O NOTÍCIA PRETA

“Foi humilhante!”, comenta a mãe, Sianara Beatriz. Gerência pediu desculpas pelo ocorrido.

A mãe de uma criança negra utilizou as redes sociais para denunciar um caso de racismo sofrido dentro da loja de um shopping no Rio de Janeiro. Na publicação, Sinara Beatriz Silva de Oliveira, de 29 anos, relata o constrangimento que ela e a família passaram ao serem seguidos por um segurança dentro do estabelecimento: “Me senti humilhada”, conta.

O caso aconteceu no último domingo (29) em uma unidade da Decathlon, no Nova América. Segundo a família, visitam a loja regularmente, pois o filho mais velho, Bento, de 3 anos, gosta de brincar com as bicicletas e patins vendidos no local. Porém, desta vez a visita foi diferente do esperado.

“Infelizmente o segurança pareceu não compartilhar da ideia de nos dar uma certa privacidade em escolhermos nossos produtos ficando em nosso encalço durante toda a estadia de meu filho e minha esposa dentro da loja”, relatou o pai da criança, Rafael Mendes.

Ainda no relato, Rafael conta que o segurança seguiu a família por todos os corredores. A situação foi denunciada à gerente da loja, porém, pouco foi feito. “Eles nos chamaram no canto e fizeram um pedido de desculpas baixo, contando que a segurança era terceirizada”, conta Sinara.

Família perseguida em shopping do Rio. Foto: arquivo pessoal

Indignados com a situação, a família realizou a postagem nas redes sociais e marcou a loja. Na publicação, Rafael pede para que as equipes de segurança sejam melhor orientadas. Após a repercussão do caso, a loja voltou a entrar em contato com a família e enviou um pedido de desculpas informando que não foi um caso de racismo e que havia sido uma infeliz coincidência.

Print do Instagram de Rafael Mendes

“A Decathlon não compactua com nenhuma atitude discriminatória ou preconceituosa e busca em seus colaboradores esse mesmo sentimento. Prezando pela segurança e bem-estar de nossos clientes e colaboradores, nossas equipes de segurança (terceirizadas) também passam por treinamentos de conduta, sendo essa sempre livre de julgamentos, seja por etnia, cor, orientação sexual ou qualquer outra discriminação. Esses treinamentos passam constantemente por reciclagens. A unidade em questão já está reforçando com a empresa terceirizada a importância do cumprimento das orientações que são passadas nos treinamentos”, informou a loja em nota.

Sinara rebateu a mensagem e notificou que irá denunciar o ocorrido. “Se de fato houvesse algum tipo de treinamento étnico-racial dos profissionais, vocês saberiam minimamente do trauma psicológico que o racismo pode causar na vida das vítimas, principalmente quando são crianças”, disse.

APOIO-SITE-PICPAY

Gabriella Reis

Jornalista, escritora e web-redatora. "Se ninguém te escuta, escreva!"

2 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.