Mesmo não sendo mais policial, segurança que assassinou Beto no Carrefour permanece em presídio militar

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Atendendo ao pedido dos advogados do ex-policial militar Giovane Gaspar da Silva, de 24 anos, preso e indiciado pela morte de João Alberto Silveira Freitas, dentro do Carrefour, em Porto Alegre, a juíza da 2ª Vara do Júri da Capital, Cristiane Busatto Zardo, decidiu que o ex-PM deve permanecer no presídio militar.

Desde o dia 19 de novembro, quando o crime aconteceu, o segurança está detido no presídio da Brigada Militar. Nesta terça-feira (15),  a juíza pediu que seja comunicado ao Comando da Brigada que Giovane seguirá no local, mesmo sem ter vínculo com a brigada.

Os advogados do ex-PM, David Leal e Raiza Hoffmeister, alegam que Giovani correria riscos fora da prisão militar.

Giovani é um dos indiciados pelo crime que no próximo sábado (19) completa um mês. Na última sexta-feira (11) seis pessoas foram indiciadas por homicídio triplamente qualificado – por motivo torpe, asfixia e recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Não houve indiciamento por racismo, mas a delegada falou em “racismo estrutural” ao comentar o caso.

Veja os nomes dos indiciados:

  • Giovane Gaspar da Silva, segurança autor da agressão
  • Magno Braz Borges, segurança autor da agressão
  • Adriana Alves Dutra, funcionária que tenta impedir gravação e tem, segundo a polícia, comando sobre os demais funcionários
  • Paulo Francisco da Silva, funcionário da empresa de segurança Vector que impede acesso da esposa à vítima que agonizava
  • Kleiton Silva Santos, funcionário do mercado que auxilia na imobilização da vítima
  • Rafael Rezende, funcionário do mercado que auxilia na imobilização da vítima
APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e com especialização em audiovisual pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, assessora de imprensa e idealizadora do portal Notícia Preta, um site de jornalismo colaborativo. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.