Prefeitura de Curitiba realiza despejo sem aviso prévio no bairro do Caximba

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Moradores de uma ocupação na Vila 29 de Outubro, no bairro do Caximba, em Curitiba (PR), estão sendo surpreendidos com a chegada de tratores e policiais armados em operações de derrubada de suas casas, sem nenhum aviso prévio, diálogo ou documento autorizando o desalojamento. O despejo é a mando da Prefeitura de Curitiba para a implementação de um parque naquela região. 

Na última quinta-feira (15), pouco antes das oito horas da manhã, a Guarda Municipal, o Grupo de Operações Especiais, a COHAB e a Prefeitura de Curitiba chegaram na ocupação e em apenas 3h30 de operação eles derrubaram as casas, na qual segundo eles estavam vazias.

O bairro do Caximba é um dos mais pobres da capital paranaense. Foto: Matheus Vaz

Segundo Lucas Queiroz Morais, da organização do Mutirão do Bem Viver, em uma das moradias havia uma moradora ainda dormindo, “ela foi acordada com o barulho do trator chegando na casa dela. Em outra casa, o morador estava com COVID e sendo cuidado na casa da irmã, que também fica na comunidade […] ambos perderam seus móveis, entre eles cama, um pequeno frigobar que tinham ganhado”, diz ele.

A derrubada das casas faz parte de um projeto da Prefeitura de Curitiba com o Instituto de Pesquisa e Planejamento de Curitiba (IPPUC) para a criação do Bairro Novo do Caximba, um projeto socioambiental para a criação de um parque linear naquela região. O projeto teve financiamento da AFD France, na qual em contrato prevê que todo o processo deve ser feito sem quebra de direitos humanos e segundo a Prefeitura, as unidades habitacionais existentes naquele local seriam realocadas.

Foram derrubadas 11 casas, assim como os pertences dos moradores que foram levados na ação. “O que a máquina não quebrou eles levaram embora, julgando que não podiam deixar esse material no local para não correr o risco da pessoa chegar e reconstruir a casa de novo, uma vez que esse terreno agora é de posse da prefeitura”, afirma Luzia Helena de Andrade, fundadora do projeto Move Vidas que atua no Caximba.

Leia também: Em plena pandemia, Ocupação CCBB, em Brasília, sofre terceira ação de despejo.

7 MIL FAMÍLIAS

O local possui 7 mil famílias, porém apenas 1147 delas serão realocadas para as habitações da COHAB quando o projeto estiver finalizado. “Exigimos também que todas as famílias sejam tratadas com respeito e dignidade”, diz ela. Lucas completa dizendo que as casas ao que parece foram escolhidas para o desmanche, “não foi um bloco de casas, e sim algumas casas em pontos diversos da comunidade”, as casas em melhor estado não foram derrubadas. 

O último levantamento quanto ao número de moradores daquela região foi feito em 2017, pela prefeitura da cidade, porém “o bairro cresceu muito e eles não fizeram a contenção que deveria ser feita […] muita gente ficará sem casa”, comenta Luzia.  

O bairro do Caximba é um dos mais pobres da capital paranaense, não possuindo luz elétrica regulamentada, encanamento de esgoto e água tratada. A região também vem sofrendo recorrentes ameaças de despejo, de acordo com moradores já aconteceu despejo em 2019 com o desalojamento de 70 famílias na comunidade Abraão. 

Os moradores desejam que a Prefeitura de Curitiba informe com mais clareza sobre esse projeto, “nós não temos acesso a esse cadastro, não sabemos quem é dono de quê”, afirma Luzia. O Mutirão do Bem Viver em conjunto com o projeto Move Vidas, afirma que o desejo é maior transparência para com os moradores envolvidos, já que eles ainda não têm informações claras sobre a retirada de suas casas. Eles também pedem suporte àqueles que não conseguiram se inscrever na COHAB, e mesmo assim terão suas casas desapropriadas.

APOIO-SITE-PICPAY

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.