Negro tem o dobro de chance de ser pobre no Brasil, revela pesquisa do Ipea

APOIE O NOTÍCIA PRETA
(FOTO: MARIO TAMA/GETTY IMAGES)

Segundo a pesquisa “A desigualdade racial da pobreza no país”, divulgada na última semana pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, órgão de pesquisa do governo), a chance de um preto ser pobre era de 2,1 em relação a um branco. Para um pardo, essa relação chega a 2,6. A pesquisa tem com base dados de 2004 a 2014.

O estudo aponta entretanto que a desigualdade racial entre os pobres foi reduzida nesse período. “Persiste elevada, a despeito de ter havido redução no período, tanto da desigualdade de brancos em relação a pretos e pardos quanto da desigualdade entre pretos e pardos”, afirma o estudo.

Os dados-base para o estudo foram as PNADs (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas). Para o IBGE, a soma de pretos e pardos compõem o grupo de negros. A pesquisa do Ipea, entretanto, faz recorte dividido entre os dois subgrupos.

Segundo o autor do estudo, Rafael Guerreiro Osori os pardos são mais vítimas da pobreza que os pretos. “No Brasil, a gente tem uma composição racial muito diferente ao longo do território. No Norte e no Nordeste, onde a população é mais pobre, você tem mais pretos e pardos. A proporção de pretos varia bastante de estado a estado, mas ela varia um pouco menos que a de pardos, ou seja: a proporção de pardos varia mais no Norte e no Nordeste. Como a pobreza está muito concentrada nas regiões, há essa diferença.”.

APOIO-SITE-PICPAY

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.