Vencedor do Oscar como melhor curta de animação, ‘Hair Love’ fala sobre representatividade e aceitação da beleza negra

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Sony Pictures divulgou uma ilustração especial da protagonista abraçando a iestatueta

A animação da Sony Pictures Animation, Hair Love, venceu na categoria de Melhor Curta Animado do Oscar. Ao contar a história de um pai aprendendo a cuidar do cabelo da filha, a animação traz lições de identidade, afetividade, combate ao machismo e empoderamento. Durante a premiação, na noite deste domingo (9), quem subiu ao palco para receber o prêmio foi Matthew A. Cherry, o diretor e ex-jogador da NFL, e a produtora Karen Rupert Toliver, que discutiram sobre a importante temática da obra.

De acordo com Cherry, Hair Love surgiu porque a dupla quer “ver mais representatividade nas animações e normalizar o cabelo negro”. “Essa foi uma oportunidade de levar positividade às animações. Quando fizemos a campanha no Kickstarter em 2017, não tinha muita diversidade nas animações. Aí encontrei vários vídeos de pais arrumando o cabelo de suas filhas, e tinha uma alegria inerente nisso. Nosso maior desafio foi manter essa alegria que atraía as pessoas a esses vídeos para começo de conversa. Estar aqui, fazendo isso com cabelo negro e famílias negras, é literalmente um sonho e nunca imaginei em milhões de anos que ganharíamos um Oscar por isso”, declarou o diretor.

O curta, que está perto de completar 16 milhões de views no YouTube, foi produzido através de uma campanha de financiamento coletivo através da plataforma Kickstarter, arrecadando US$ 300 mil doláres de aproximadamente 5 mil doadores.

A 92ª edição do Oscar aconteceu em Los Angeles, sendo que Parasita foi o grande vencedor com quatro prêmios, incluindo o de Melhor Filme. Já o ator Joaquin Phoenix, que se colocou recentemente na linha antirracista, ganhou o prêmio de melhor ator.

APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, fundadora e CEO do portal Notícia Preta e podcaster do Canal Futura. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.