Tyler, The Creator critica a segmentação racial no Grammy

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Neste domingo (26), o mundo conheceu os vencedores da 62º edição do Grammy Awards. A cerimônia, realizada no Staples Center, em Los Angeles, Estados Unidos, consagrou trabalhos de artistas como Lizzo, Lil Nas X, BTS, Billie Eilish, Beyoncé e Tyler, The Creator. Este último, embora tenha saído vitorioso, não poupou críticas à premiação e a maneira como negros são vistos pela Academia. 

Vencedor do Grammy criticou a postura da organização do evento em relação ao rap e a comunidade negra – Foto: Steve Granitz / WireImage

Após receber o gramofone de melhor Melhor Álbum de Rap, por “IGOR”, lançado em 2019, Tyler questionou a dinâmica de votação do Grammy. “Estou dividido nisso. Por um lado, estou muito grato que o que eu fiz possa ser reconhecido em um mundo como esse, mas também é péssimo que sempre que nós – e eu quero dizer caras que se parecem comigo – façam qualquer coisa que envolva gênero ou qualquer coisa, eles sempre colocam em uma categoria urbana ou de rap”, disse ele durante entrevista na sala de imprensa do evento. 

“Eu não gosto dessa palavra urbana, é apenas uma maneira politicamente correta de dizer a palavra ‘N*gga’ para mim. Quando ouço isso, eu fico tipo, por que não podemos simplesmente aparecer no pop? Metade de mim sente como se a nomeação ao rap foi apenas um elogio. Tipo, meu priminho quer jogar o jogo. Vamos dar a ele o controle desconectado para que ele possa se calar e se sentir bem com isso – é o que parece um pouco. Mas outra parte de mim é muito grata pela arte que eu faço poder ser reconhecida em um nível como esse quando não sou tão radiofônico. Não sou tocado na Target. Estou em um mundo completamente diferente do que muitas pessoas aqui ouvem”, concluiu.

Histórico do Grammy

Não é de hoje que esta discussão em relação ao Grammy tem sido tratada por os artistas negros. Em 2017, o canadense Drake comentou sobre isso ao venceu as categorias de “Melhor Música de Rap” e “Melhor Performance de Rap” com a faixa “Hotline Bling”. 

Em entrevista ao OVO Sound Radio, o artista ressaltou o desconforto com os prêmios que recebeu e a necessidade de segmentar artista negros fora das principais categorias da noite. “Mesmo que ‘Hotline Bling’ não seja uma música de rap, a única categoria que eles conseguem me encaixar é uma categoria de rap. Talvez porque eu tenha feito rap no passado ou porque eu sou negro, eu não consigo descobrir o porquê”, disse.

“Eu ganhei dois prêmios, mas eu nem os quero, porque só me sinto estranho com eles por alguma razão. Sinto-me quase alienado, ou como se estivessem tentando me alienar propositadamente, fazendo-me ganhar prêmios rap, ou me acalmar me entregando algo e me colocando nessa categoria porque é o único lugar onde eles acham que podem me colocar “, desabafou o cantor que, na ocasião, nem compareceu à cerimônia do Grammy.

APOIO-SITE-PICPAY

Jader Theóphilo

Jornalista formado pela Puc-MG. Atua como produtor de conteúdo e colunista semanal na Revista Zint, com foco em assuntos culturais. Adquiriu experiência com apuração e produção de jornais da Record TV Minas, atuou como apresentador, repórter e produtor, na PUC TV. Além disso, participou da produção de 3 programas semanais, na TV Horizonte, e foi analista de mídias sociais, na Horizon.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.