Levantamento da USP revela que auxílio emergencial amenizou desigualdade de renda para mulher negra

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Antes da pandemia, a renda do trabalho per capita de famílias chefiadas por homens brancos era cerca de 2,5 vezes maior do que a de famílias comandadas por mulheres negras. Em agosto de 2020, contanto com o auxílio, essa relação havia diminuído para 2,1. Estes dados foram apontados pela nota do Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades (Made) da FEA-USP.

Entre os lares chefiados por mulheres brancas, a proporção passou de 1,8 para 1,6 no período e, no caso de homens negros, foi de 1,4 para 1,3, sempre em relação aos domicílios chefiados por mulheres negras.

Podemos observar o efeito distributivo racial e de gênero do AE, que é responsável por aproximar a renda das famílias chefiadas por mulheres negras da de todas as outras”, escrevem as pesquisadoras Lygia Sabbag Fares, Ana Luíza Matos de Oliveira, Luísa Cardoso e Luiza Nassif-Pires.

Ainda assim, a renda de todos os grupos ganhava das famílias comandadas por mulheres negras, “indicando que as mulheres pretas e pardas sofreram um impacto maior da perda de renda do trabalho em maio e estão experimentando uma recuperação mais lenta”, dizem elas, considerando os dados até agosto.

Fonte: Valor Investe

APOIO-SITE-PICPAY

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.