Gilberto Gil, Naruna Costa e Rubens Oliveira são premiados pela Associação Paulista de Críticos de Arte

Atriz, diretora e cantora Naruna Costa

A Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) divulgou os vencedores de sua prestigiada premiação de Melhores do Ano em 2018. Os jurados votam nas áreas Arquitetura, Artes Visuais, Cinema, Dança, Literatura, Música Popular, Rádio, Teatro, Teatro Infantil e Televisão. Destacam-se, entre os ganhadores, o cantor e compositor Gilberto Gil, a diretora e atriz Naruna Costa e o coreógrafo e bailarino Rubens Oliveira.

Gilberto Gil foi homenageado com o Grande Prêmio da Crítica. O artista lançou em agosto o cd “Ok Ok Ok”, o seu primeiro de inéditas desde 2010. Além dele, o rapper Marcelo D2 foi apontado como Artista do Ano – sua atração transmídia “Amar é para os fortes” é o destaque. Além deles, os Racionais MCs foram nomeados como Melhor Show do período, enquanto Karol Conka levou como Melhor Capa pelo projeto gráfico de “Ambulante”.

Na categoria Artes Visuais, o trabalho vencedor do Grande Prêmio da Crítica foi a exposição “Histórias Afro-Atlânticas”, que ficou em cartaz em São Paulo até o mês de outubro, em uma parceria entre o Instituto Tomie Ohtake e o Museu de Arte de São Paulo (Masp). Foram apresentadas ao público cerca de 400 obras de mais de 200 artistas. Ayrson Heráclito e Hélio Menezes foram os curadores convidados para atuar com Adriano Pedrosa, Lilia Schwarcz e Tomás Toledo.

Por sua vez, no Teatro, a atriz, diretora e cantora Naruna Costa foi premiada pela sua direção em “Buraquinhos – ou O vento é inimigo do Picumã”. Já no Teatro Infantil, o Melhor Espetáculo Musical foi “Bento Batuca”, da Oficina da Alegria, enquanto o Melhor espetáculo para público jovem foi “Dois a Duas”, de Maria Fernanda Batalha. Ambos contam com jovens protagonistas negros, Sidnei Santiago e Jhenifer Santine, respectivamente.

Coreógrafo e bailarino Rubens Oliveira

Na Dança, foi escolhido como melhor trabalho de Coreografia / Criação “Subterrâneo”, de Rubens Oliveira, desenvolvido para o grupo Gumboot Dance Brasil. Por sua vez, no segmento Interpretação, Leandro de Souza levou a honraria por “Sismos e volts”. Houve, ainda, a opção por “Melhor Único Dia” como Espetáculo / Estreia – a peça foi executada pela São Paulo Companhia de Dança que conta, entre outros, com Nielson Souza e Otávio Portela.

Em Cinema, o elenco de “Paraíso perdido”, que conta com o ator, cantor e compositor Seu Jorge, levou o troféu de Interpretação Coletiva. A obra é da cineasta Monique Gardenberg. Na mesma categoria, “Antes do fim” conquistou o Prêmio Especial do Júri – o filme, de Cristiano Burlan, tem o ator e diretor Edson Ferreira como um de seus integrantes.

Cipriano Jr

Cursou Comunicação Social (Jornalismo) na UFRJ e atuou como repórter na EBC, no diário Lance! e na MBPress - aqui, produzindo conteúdo para a editoria de esportes dos portais UOL e IG. Atualmente, trabalha como analista na equipe digital da FSB Comunicação. Publica quinzenalmente textos de opinião e ficção em seu espaço no Medium. Twitter: @cizenando_ Medium : @cizenando

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: