“Eu jogo ele em cima de você, sua preta nojenta”, diz vizinha antes de soltar o cachorro em professora

APOIE O NOTÍCIA PRETA
Izabele foi atacada pelo cão da vizinha que ainda a agrediu com ofensas racistas – Foto: Reprodução Instagram

A professora Izabele Santiago, foi vítima de racismo e agressão por parte de uma moradora do condomínio onde mora, no Recreio dos Bandeirantes, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Segundo Izabele, no último domingo (13), ela estava esperando o elevador quando a moradora saiu com um cachorro de grande porte, sem focinheira, e a avançou. Izabele conta que se assustou com a situação, deu um grito e um salto. Neste momento, a agressora disse que se ela gritasse o cachorro ficaria mais nervoso. “Eu levei um susto. Falei de forma tranquila, sem hostilidade. Meio que sem entender o que estava acontecendo”, afirmou. 

Ainda de acordo com a professora, neste momento, a agressora se virou e disse: “se falar mais alguma coisa, eu jogo ele em cima de você, sua preta nojenta”. Foi então que Izabele entrou no elevador, em estado de choque, diante da situação que ficou ainda pior. “As portas do elevador já estavam fechando quando essa criminosa voltou correndo, abriu a porta do elevador e jogou o cachorro em cima de mim. Pasmem, Ela usou o cão como uma arma”. 

Izabele, que sofreu ferimentos na perna direita, ressaltou que não conseguiu registar o boletim de ocorrência, no mesmo dia, na 42ª Delegacia Legal do Recreio, porque ela foi orientada a procurar uma hospital por estar sangrando e que, posteriormente, retornasse para registrar. “Eu conversei com a advogada e ela me disse que poderiam ter feito o boletim, mas, como sempre, dificultam os registros dos casos de racismo e injúria racial”, afirmou. Como estava abalada emocionalmente, Izabele voltou à 42ª Delegacia para registrar o boletim de ocorrência nesta terça-feira (15).

Emoções

Izabele lembrou ainda que as emoções ficam muito abaladas quando um caso como esse acontece e que a todo momento a situação volta à sua mente. “Fico procurando se eu dei algum motivo pra esse ataque. Choro de tristeza por uma violência gratuita, sem cabimento! Choro porque o ser humano se desconhece em outro ser humano. Choro pela falta de amor ao próximo. Choro pela impunidade de situações como essas! Choro porque luto para não me transformar no meu algoz. Choro porque não quero deixar que a agressão que sofri, me torne alguém tão amargo e violento”, disse emocionada e completou: “Sei que vou passar por este episódio, como já passei por tantos em minha vida, meu sorriso voltará e permanecerei amando e lutando por um mundo melhor. Lutando para que pais não devolvam filhos cruéis como essa jovem, para a sociedade”.

Izabele ressaltou que as emoções ficaram exaltadas depois da dupla agressão – Foto: Arquivo Pessoal

Posição do Condomínio

O Notícia Preta entrou em contato com a síndica do Condomínio Lumière, Ana Paula Cardoso Souto. Segundo ela, foi pedido à vitima para que a agressão fosse formalizada no livro de ocorrências da administração e garantiu que vai repassar a situação para o setor jurídico do condomínio para saber quais medidas podem ser tomadas. Ainda de acordo com a síndica, o zelador chefe fez contato com a avó da agressora e deu ciência do ocorrido. Ana Paula afirmou que o condomínio vem dando suporte à moradora agredida. 

Segundo a síndica o condomínio não disponibilizou as imagens do circuito interno de segurança devido a questões jurídicas, mas se solicitado pela autoridade policial, serão liberadas de pronto. 

APOIO-SITE-PICPAY

Igor Rocha

Igor Rocha é jornalista, nascido e criado no Cantinho do Céu, com ampla experiência em assessoria de comunicação e escritor nas horas vagas. Editor e coordenador regional do Notícia Preta

2 Comments

  • Iza é uma mulher integra, tem sua vida como testemunho em servir o próximo, jamais hostilizaria alguém. Uma pena sem tamanho o que aconteceu com ela. Que sua saúde e seu emocional sejam restabelecidos e que ela saiba o quão gigante é, por está tendo tanta coragem!

  • Andrea Portella Portella de Simas

    (16/12/2020 - 16:25)

    Não consigo nem entender o que se passa na cabeça de um ser assim que tem uma:atitude dessa.Sinto muitíssimo por esta Cidadã que felizmente não me representa.
    Sinto imensamente por neste Mundo ainda existir esse tipo de Humano.
    Que essa moça saiba o quão ela é querida e amada,ao contrário da outra com sua língua venenosa e seu ódio todo,não só pelo episódio,pelo tom de pele da outra com o qual ela tanto se incomoda….o pior incômodo é com ela mesma que é o seu próprio pesadelo.
    Você pode observar pela atitude de seus familiares que não se manifestaram ao menos com um pedido de desculpas;devem ser iguais.
    Papai já dizia:Quem puxa aos seus não degenera!
    Tristeza dessa gente tão pobre de espírito.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.