Em ato antidemocrático, apoiadores de Bolsonaro usam tochas e máscaras em protesto contra o STF

APOIE O NOTÍCIA PRETA

O uso de tochas e máscaras eram símbolos comuns nos protestos do movimento Ku Klux Klan

grupo 300 do brasil usou simbolo da ku klux klan
Com Sara Winter ao centro, grupo ‘300 do Brasil’ protesta contra o STF, em Brasília. Foto: Wallace Martins/Futura Press/Folhapress

Com tochas acesas nas mãos e máscaras que cobrem todo o rosto, o grupo de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, autointitulado “300 pelo Brasil”, que está acampado no Planalto Central, em Brasília, marchou na madrugada deste domingo (31) até o Supremo Tribunal Federal. Com gritos de “fora STF” e contra o ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito das fake news, eles fizeram gestos e entoaram expressões semelhantes às do grupo racista Ku Klux Klan.

Durante a marcha, eles gritavam “ahu”, uma expressão que tem sido utilizada por movimentos de extrema-direita em vários lugares do mundo. A performance também lembra expressões de supremacistas brancos na Universidade da Virginia, em Charlottesville. O evento, que aconteceu em 2017, ficou conhecido pelas cenas de violência do movimento neonazista “Unite the right” (unir a direita), contra a comunidade negra.

A líder do grupo paramilitar é a extremista Sara Winter, uma ex-feminista que se tornou antifeminista. Em entrevista à BBC, ela afirmou que no grupo existem pessoas com armas “para proteção dos próprios membros”, o que é expressamente proibido pela Constituição brasileira, por se tratar de uma manifestação política.

“Em nosso grupo, existem membros que são CACs (Colecionador, Atirador e Caçador), outros que possuem armas devidamente registradas nos órgãos competentes. Essas armas servem para a proteção dos próprios membros do acampamento e nada têm a ver com nossa militância”, disse Sara à BBC News Brasil.

O grupo que quer o fechamento do STF, do Congresso, de órgãos da imprensa e o “extermínio da Esquerda”, já é alvo de investigação pela Procuradoria-Geral da República, que apura suposta “formação de milícia”.

APOIO-SITE-PICPAY

Jersey Simon

Jornalista, especialista em Comunicação estratégica, empreendedor. Na luta por um Reino de Justiça e paz.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.