Trump propõe restringir voos do Brasil devido a ‘grande surto’ de coronavírus

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Os Estados Unidos são o epicentro do novo coronavírus, o país mais afetado até então com mais de um milhão de infectados pela doença e mais de 57,2 mil mortos. No Brasil, mesmo com números subnotificados, foram registrados até o momento 68.188 casos e mais de 4.600 mortes pelo covid-19. Mesmo com o número de mortos em nosso país não representando nem 10% das vítimas fatais nos Estados unidos, o presidente americao, Donald Trump disse nesta terça-feira (28) que o Brasil enfrenta um “grande surto” de coronavírus e sugeriu a proibição de voos de países latino-americanos para o EUA.

As declarações de Trump foram dadas durante um encontro com o governador da Flórida, Ron DeSantis, na Casa Branca, que disse estar preocupado com o avanço no vírus no Brasil e em outros países da região, todos com grandes conexões com Miami e outras cidades do Estado.

DeSantis sugeriu que as companhias aéreas testem os passageiros antes de eles embarcarem em seus países de origem. Trump interrompeu a fala do governador e perguntou: “Você gostaria que nós cortassemos o Brasil?”. “Não necessariamente”, respondeu DeSantis, sugerindo a adoção da tecnologia para monitorar os passageiros.

O presidente norte-americano insiste na pergunta e pede que DeSantis avise ao governo federal caso os voos vindos da América do Sul se tornem um problema para a Flórida. “Se eles estiverem trazendo [o vírus] para os Estados Unidos, com certeza”, disse o governador.

Maioria dos infectados é negra – Nos Estados Unidos e no Brasil

Nos Estados Unidos, assim como no Brasil,  as taxas de contaminações e morte pela Covid-19 são maiores na população negra, segundo levantamento do jornal americano The New York Times, realizado com base em dados divulgados pelos estados. No Brasil, pretos e pardos chegam a 1 em cada 3 entre os mortos por Covid-19 (32,8%), segundo dados do MInustério da Saúde divulgados no dia 10 de março.

Tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos estes casos podem ter relação com a desigualdade social e as doenças associadas. De acordo com a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 67% dos brasileiros que dependem exclusivamente do SUS (Sistema Único de Saúde) são negros, e estes também são maioria dos pacientes com diabetes, tuberculose, hipertensão e doenças renais crônicas no país – todos considerados agravantes para o desenvolvimento de quadros mais gravosos da Covid-19.

Nos Estados Unidos, no estado de Illinois, 43% das pessoas que morreram pela doença e 28% dos que testaram positivos eram afro-americanas, um grupo que compõe apenas 15% da população estadual. No Michigan, um terço dos pacientes é negro e 40% das mortes são dessa população, que representa 15% dos habitantes  do estado. Em Lousiana, onde os afro-descendentes também representam um terço da população, 70% dos mortos pela Covid-19 eram afro-americanos.

APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, fundadora e CEO do portal Notícia Preta e podcaster do Canal Futura. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.