Prefeitura de Búzios contrata professor para live que faz ‘black face’ e tem falas racistas

APOIE O NOTÍCIA PRETA

A prefeitura de Búzios, no Rio de Janeiro contratou um palestrante falar sobre a volta às aulas a professores em meio à pandemia. Em determinado momento da live que aconteceu no dia 22 de abril, Dalmir Sant’Anna coloca uma máscara e uma peruca black power para “imitar” um professor preguiçoso, que reclama de trabalhar e utiliza um fundo musical tema  da novela “Escrava Isaura” , que ficou conhecido por associação com o período da escravidão.

“Lá vou eu trabalhar, trabalhar”, queixa-se o personagem, com voz grossa. Sant’Anna contou o que considerou ser uma “piada”, mas não passava de um episódio de racismo, sobre um menino que pergunta à mãe sobre as origens dos seres humanos. Ela responde que viemos de Adão e Eva e o garoto rebate que seu pai lhe disse que os humanos descendem “dos macacos”. A mãe responde: “Uma coisa são os parentes do seu pai. Outra coisa sãos os parentes da mamãe”.

A live foi organizada pela secretaria de Educação e pela empresa “Instituto Conhecer”.

O tema da live, que era a volta às aulas, não foi tratado em momento algum por Sant’Anna que também não comentou sobre a pandemia. O professor, entretanto, aproveitou o evento online para exaltar o prefeito de Búzios, Alexandre Martins e culpar os servidores pela “reclamação”, a “falta de motivação pessoal”, a “preguiça”.

O Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro, Sepe, divulgou uma nota sobre a live.

“Não consideramos o referido palestrante qualificado para abordar temas com relação à educação pública, visto que os exemplos dados foram de atendentes de loja que não tratam bem os seus clientes. Ressaltamos ainda que a abordagem em torno de tais profissionais também se deu de forma preconceituosa, uma vez que, inclusive se valeu dos trabalhadores mais precarizados para dar seus exemplos, como se um gerente de banco não nos tratasse mal, ou um chefe de governo, ou uma secretária, secretário, apenas os mais precarizados, segundo o exemplo do palestrante”, diz o texto.

APOIO-SITE-PICPAY

3 Comments

  • Dalmir Sant'Anna

    (25/04/2021 - 18:13)

    Nota de esclarecimento e pedido de desculpas

    Com humildade, estendo as minhas mãos, como um gesto de respeito, pedindo perdão a todos e para todas as pessoas que se sentiram magoadas, tristes, ofendidas e aborrecidas comigo.

    Como um homem temente a Deus que sou, jamais em hipótese alguma, tive intenção de provocar discórdia ou ofensas na “live” apresentada na manhã no dia 22 de abril de 2021, à Secretaria Municipal de Educação de Armação dos Búzios.

    Desta maneira, venho a público, manifestar que repudio qualquer tipo de preconceito, seja de “black face”, credo, gênero, orientação sexual, raça, assim como qualquer tipo de violência física ou mental.

    Reitero e ratifico o meu compromisso de defesa e o contínuo combate a toda forma de discriminação e desrespeito ao ser humano.

    Uma vez mais, manifesto minhas desculpas e o meu pedido de perdão para as pessoas se sentiram magoadas, tristes, ofendidas, infelizes e aborrecidas para comigo.

    Respeitosamente, Dalmir Sant’Anna

  • […] MyCujoo e CBF TV, neste domingo (25). Edson Florão, que acompanhava o jogo, fez um comentário racista, dizendo que as jogadoras do Bahia levavam vantagem por conta dos “cabelos exóticos”. […]

  • Eloisa Sousa

    (26/04/2021 - 15:29)

    Simples assim. Foi apenas uma brincadeira! Entre a intenção e o gesto existem pessoas. O pior que viemos essa brincadeira cotidiana já se vão 500 anos, será que teremos que viver mais 500 para ela deixar de ser brincadeira? Mas sou temente a Deus.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.