Negros são maioria dos gamers no Brasil, revela pesquisa

APOIE O NOTÍCIA PRETA

A Pesquisa Game Brasil de 2021, uma espécie de censo do ecossistema gamer nacional, aponta que 50,3% dos jogadores brasileiros se autodeclara preta e parda. Quase metade dos que consomem jogos, 49,7%, são das classes C, D e E. Cerca de um terço dos que jogam videogame vem de famílias de renda de até R$ 2.090. Outro terço tem renda familiar de até R$ 4.180.

A mesma pesquisa no ano passado já tinha indicado que o smartphone é a plataforma favorita de todos os gêneros quando o assunto é jogo online, muito em razão do fenômeno dos jogos free to play. Em 2021, o celular continua sendo a plataforma preferida dos entrevistados pela pesquisa (41,6%), enquanto só 25,8% preferem consoles.

A maioria dos que jogam em celulares (60,8%) são das classes C, D e E. Já dos que jogam em console, 59% são das classes A e B. Entre os que jogam no computador, 57,4% são das classes A e B, uma das explicações pode ser que para aguentar os jogos que são pesados é preciso ter computadores potentes que, normalmente, são os mais caros.

Pesquisa Game Brasil

Em2018, o jogo brasileiro Dandara esteve na lista dos 10 melhores games de 2018 da revista norte americana Times, ao lado de outros games AAA como Mario, God of War e Red Dead Redemption. O jogo ‘Dandara’ traz a representação de uma mulher negra não sexualizada como protagonista. Sua consagração internacional explicita que o vazio deixado pelos antigos desenvolvedores começa a ser preenchido por uma geração nova, que aplica a diversidade nas linhas de código.

Leia também: Mulher negra e nordestina é heroína de game brasileiro

Os dados da pesquisa apontam que a diversidade já é considerada pela indústria como um nicho de mercado. Néstor Garcia Canclini, em sua obra “Consumidores e Cidadãos”, apontou que o exercício da cidadania na sociedade capitalista se dá essencialmente pelo poder de consumo. Então, se a regra de mercado ainda é a que prevalece entre os céticos, não há mais como evitar essa mudança de pensamento. Antigos estereótipos devem ceder lugar ao novo, até porque isso é matéria-prima essencial para o sucesso de uma indústria criativa como a de games.

Ainda segundo a pesquisa, 72% dos brasileiros têm costume de jogar games, sendo que mais da metade são mulheres. Desses, quase metade, 45,4%, afirma que só faz download de jogos gratuitos, e 44,9% dizem que só compram games de vez em quando. Só um em cada dez afirma comprar jogos frequentemente.

Toda essa ‘nova era’ mais diversa no mercado dos games leva também a mais cobranças por representatividade no segmento com, por exemplo, sistema de cotas para colaboradores nos editais do SPCine, a distribuição do Selo da Diversidade da Abragames e as maratonas de desenvolvimento de jogos como Sampa Diversa, Game Jam das Minas e Women Game Jam.

APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e com especialização em audiovisual pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, assessora de imprensa e idealizadora do portal Notícia Preta, um site de jornalismo colaborativo. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.