ONG Rio de Paz realiza ato no quisoque onde Moïse foi assassinado

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Na manhã desta sexta-feira (4) a ONG Rio de Paz realizou uma ação em solidariedade à família de Moïse, no quiosque Tropicália, na Barra da Tijuca, onde o congolês foi assassinado no último dia 24 de janeiro, depois de cobrar uma dívida de R$ 200,00 por dias trabalhados.

A ONG Rio de Paz realizou uma ação contra o assassinato do congolês nesta sexta-feira – Foto: Divulgação / Rio de Paz

“Fugimos do Congo para que não nos matassem. Mas mataram meu filho aqui”. A frase dita por Ivana Lay, mãe do congolês Moïse, está na faixa que a ONG Rio de Paz colocou no quiosque, em forma de protesto.

Leia mais: Polícia indicia sargento que matou vizinho por homicídio culposo

O articulador social da ONG, João Luís da Silva, disse que ficou perplexo e impactado com a forma que Moïse foi brutalmente assassinado. “Não podemos naturalizar casos como esse. O caso dele nos remete a histórias que aconteceram há séculos, quando africanos foram sequestrados e trazidos para cá para serem explorados. E muitos morreram da mesma forma”, ressalta.

João Luís completou dizendo que nada justifica a barbaridade. “Fizemos este ato para que essa história não seja esquecida e para que uma barbaridade como esta jamais se repita”, disse.

Ocupação irregular

A Orla Rio, empresa que administra os quiosques nas praias do Rio de Janeiro, entrou com uma ação contra os proprietário do quiosque Biruta, onde o congolês trabalhou por último. Segundo a concessionária, o PM Alauir Mattos de Faria, conhecido como dono do local está ocupando irregularmente o espaço, que, a princípio foi licenciado para um homem de nome “Celso Carnaval”.

APOIO-SITE-PICPAY

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.