Náutico reconhece passado racista e lança uniforme preto inspirada no movimento ‘Vidas Negras Importam’

APOIE O NOTÍCIA PRETA


O Náutico lançou nesta sexta-feira (18) um uniforme preto inédito inspirado no movimento Vidas Negras Importam. Na campanha da nova camisa, o clube mais antigo de Pernambuco, que tem 119 anos, reconheceu o seu passado racista, mas ainda não falou efetivamente quais ações serão colocadas em práticas no combate ao racismo. O novo padrão será inaugurado hoje, em partida do Campeonato Brasileiro da Série B, contra a Chapeconse.


Quem protagonizou a campanha foi o ex-goleiro e hoje treinador de futebol Nilson Corrêa Júnior. Hoje, o ex-atleta é um ídolo do Náutico, mas já sofreu muito quanto atuava no arquirrival, Santa Cruz. Em 2002, o então goleiro foi chamado de macaco por parte da torcida alvirrubra. Dois anos após o episódio, Nilson foi defender as cores do Náutico.

O ex-goleiro Nilson, que já sofreu ataques racistas por parte da torcida do Náutico, foi o protagonista da campanha. Foto: Reprodução/Instagram

Passado racista

O Clube Náutico Capibaribe foi, por muito tempo, conhecido como o ”clube dos brancos”, inclusive sendo o último clube de Pernambuco a aceitar algum jogador negro. Em 1960, somente 59 anos após a sua fundação, o Alvirrubro permitiu que um negro vestisse a camisa do clube. E foi um treinador, Gentil Cardoso.

Mesmo após a chegada do treinador, outros episódios racistas marcaram o clube nos anos 70. O atacante jamaicano Alan Cole foi dispensado após o treinador João Avelino falar que o estilo dele, que era Black Power, não serviria para ser um jogador de futebol de partida oficial e sim de amistosos.

APOIO-SITE-PICPAY

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.