Jovelina Pérola Negra é homenageada pela Google no dia do 78° aniversário da sambista

APOIE O NOTÍCIA PRETA

“Com o sorriso aberto e o paraíso perto pra vida melhorar”, Jovelina Faria Belfort nasceu em Botafogo no Rio de Janeiro em 1944. Sua voz rouca e grave ocupava toda a roda de samba e pagode e o longo alcance vocal rendeu a ela o nome de artístico Jovelina Pérola Negra. A cantora, que recebeu do Ministério da Cultura a Ordem do Mérito Cultural em 2016, faria nesta quinta-feira, 21, 78 anos sendo a homenageada da Google através do doodle do dia.

Doodle do dia / Imagem: Google – La Minna

Nascida na zona sul do Rio, Jovelina Pérola Negra foi criada em Miguel Couto, distrito do município de Belford Roxo, na Baixada Fluminense e, depois, foi morar na Pavuna, bairro que figura muitas de suas músicas.  A ilustração do site mostra Jovelina acompanhada de sua banda ao fundo e com a mão no coração enquanto canta, a arte é da carioca La Minna

Leia também: Dia Nacional da Mulher Sambista: Qual a importância das mulheres negras no samba?

O doodle lembra ainda o modo de cantar da sambista que foi empregada doméstica até os 40 anos, lavadeira e vendedora de linguiça, mas que ocupava as festas de samba e pagodes nos subúrbios do Rio de Janeiro e o barracão e a quadra do Império Serrano sempre que podia. E foi nesses espaços que ela começou a construir a sua carreira.

Capa do disco Luz do Repente/ Foto: Divulgação

Em 1985, Jovelina Pérola Negra, foi convidada a gravar o primeiro álbum da vida dela junto a outros cantores de partido alto e samba: era o “Raça Brasileira”. Um dos outros artistas convidados para a coletânea foi Zeca Pagodinho, com quem Jovelina gravou uma versão histórica de “Bagaço da Laranja”. Outros primeiros sucessos como “Feirinha da Pavuna”  e “Pomba Rolou” também surgiram na voz da sambista nesse primeiro álbum.

Sorriso Aberto e outros sucessos

A música “Sorriso aberto” de 1988 é um dos maiores sucessos da “partideira da pele mais negra”, como ela mesma definia, que com a potência da sua voz gravou ao todo seis álbuns solos e conquistou um disco de platina tendo contribuído para a consolidação do samba fundo de quintal e do partido alto no país. O primeiro álbum foi “Pérola Negra” (1985),  com mais de 200 mil cópias vendidas. Em seguida foram gravados “Luz do repente” (1987), “Amigos chegados” (1989), “Sangue bom” 1991), “Vou da fé” (1993) e “Samba guerreiro” (1996).  Jovelina Pérola Negra deixou esse plano em 1998, aos 54 anos, enquanto dormia em sua casa, no bairro da Pechincha, em Jacarepaguá.

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Nayara Souza

Jornalista e pesquisadora. Amefricana aprendiz de escrevivências.

2 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.