Josephine Baker se torna primeira mulher negra no Panteão de Paris

APOIE O NOTÍCIA PRETA


A célebre cantora e bailarina franco-americana, Josephine Baker se tornou a a primeira mulher negra a integrar o Panteão de Paris. A entrada no monumento acontece 46 anos após a sua morte, em 12 de abril de 1975, aos 68 anos.

Joséphine entrou ao som de ‘Me again Paris’, uma das canções mais conhecidas da artista. A cerimónia contou com a presença do Presidente francês Emmanuel Macron e de onze dos seus filhos, mas também de políticos, artistas e cidadãos comuns, noticiou a agência AFP.

Saiba mais: Beyoncé é a primeira mulher negra a usar o Diamante Tiffany, avaliado em 30 milhões de Dólares

Sobre Joséphine Baker:

Joséphine Baker nasceu em 1906 nos Estados Unidos e antes de adotar a nacionalidade francesa, tornou-se a sexta mulher em 80 personalidades a serem acolhidas no Panteão de París.

O que determinou a entrada de Josephine Baker no Panteão foi o seu “compromisso” e o facto de ter decidido lutar pela França envolvendo-se na resistência à ocupação nazi durante a Segunda Guerra Mundial.

Igualmente contribuiu a sua participação na grande marcha de Washington, em 1963, em prol dos direitos civis dos negros juntamente com Martin Luther King, onde se apresentou de uniforme militar e com as suas medalhas de guerra.

APOIE O NOTÍCIA PRETA

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.