Panamá investiga denúncias de esterilizações de indígenas sem consentimento

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Via AFP

A promotoria do Panamá anunciou nesta segunda-feira (21) o início das investigações sobre denúncias de supostas esterilizações de mulheres indígenas sem seu consentimento, embora o governo afirme que até o momento não encontrou provas dessas acusações.

Indígenas da etnia Embera dançam na comunidade Ipeti Embera, perto de Torti, distrito de Chepo, Panamá, em 15 de outubro de 2019 – AFP/Arquivos

“O Ministério Público informa que uma equipe especial de promotores foi formada” para investigar denúncias sobre “possíveis procedimentos de esterilização não consensuais”, disse a instituição em um comunicado.

Leia também: Indígenas investem em leilão de obras de arte digitais para proteger Amazônia

De acordo com a nota, os procuradores viajaram à província de Bocas del Toro, no noroeste do país, para iniciar “as investigações”. Na semana passada, a deputada suplente da Assembleia Nacional Walkiria Chandler denunciou que uma dezena de mulheres indígenas teriam sido esterilizadas em hospitais públicos, sem seu consentimento.

A denúncia foi feita a uma delegação da Assembleia Nacional durante uma visita em outubro de 2021 à comunidade de Charco La Pava, uma área montanhosa de difícil acesso na província de Bocas del Toro, habitada por indígenas Ngäbe-Buglé.

Na última quinta-feira, a vice-presidente da Assembleia Nacional e membro da Comissão da Mulher, Criança, Juventude e Família, Kayra Harding, apresentou uma queixa no Ministério Público.

Segundo o comunicado, Harding disse que em uma conversa durante uma visita médica “uma das mulheres denunciou que eram esterilizadas sem seu consentimento uma vez que davam à luz”.

O governo panamenho também lançou uma investigação paralela, embora a ministra da Saúde responsável, Ivette Berrio, tenha assegurado que não há “dados verdadeiros e confiáveis” sobre esterilizações indígenas sem sua permissão.

A ministra também acusou a oposição de promover denúncias sem provas para obscurecer o trabalho do governo, embora haja deputados pró-governo na comissão legislativa que investiga as denúncias.

A deputada Chandler, que é independente, assegurou à AFP que o ex-ministro da Saúde Luis Francisco Sucre, que deixou o cargo temporariamente devido a um problema médico, “estava ciente” das queixas.

APOIO-SITE-PICPAY

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

2 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.