“Eu nem vou falar com o Augusto. Vou perder a paciência com esse preto, gordo, filho da puta”, diz o Vice presidente do CRECI-MT

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Claudecir Roque Contreira é vice presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis de Mato Grosso (CRECI-MT) e está sendo acusado de racismo pelo funcionário do órgão, Augusto Cesar da Silva. 

O áudio foi cortado para não envolver terceiros que também foram citados no decorrer do arquivo
Claudecir Contreira é vice presidente do CRECI-MT – Foto: Divulgação Redes Sociais

Segundo o funcionário, em um áudio vazado, o diretor do Conselho chamou o funcionário de “preto, gordo, filho da puta”. Ainda segundo Augusto, era coordenador técnico de informação e precisou atender ao setor financeiro com um novo aplicativo e, desta forma, deixou a desejar nas suas funções em seu setor de origem. Por estar em outra função, o vice diretor começou a cobrá-lo por uma atualização do aplicativo, que estava atrasada. “Durante o período do senhor Contreira como diretor-secretário do CRECI-MT, sempre me cobrava as atualizações do aplicativo e também dos contatos dos corretores. Inúmeras vezes disse para que o Conselho contratasse outra pessoa para que eu passasse tudo de sistemas, já que amanhã ou depois eu poderia ‘bater as botas”, registrou o funcionário no Boletim de ocorrência. 

Augusto ainda revelou que só soube do áudio quando o superintendente Gelson pediu exoneração e solicitou que ele recuperasse alguns arquivos armazenados. “No último dia 12 de agosto de 2019 o senhor Gelson, superintendente do Conselho pediu exoneração do cargo e me solicitou que fizesse busca no servidor de dados armazenadas. Durante essa busca me deparei com dois arquivos nomeados, que faziam relação ao meu nome. Um arquivo era o print de conversa com uma solicitação do senhor Contreira para o senhor Gelson, para colocarem um novo funcionário no meu setor, e um áudio onde escutei a declaração do senhor Contreira se referindo a mim como, preto, gordo F.D.P”, finalizou.

Outro lado

Contreira admitiu ter xingado o funcionário, usando os termos racistas em áudio, mas alega que o fez para o chefe imediato de Augusto e não diretamente a ele. Ainda segundo Contreira, está arrependido e vai responder pelo seu erro.

APOIO-SITE-PICPAY

Igor Rocha

Igor Rocha é jornalista, nascido e criado no Cantinho do Céu, com ampla experiência em assessoria de comunicação e escritor nas horas vagas. Editor e coordenador regional do Notícia Preta

1 Comment

  • No Brasil ser racista não dá nada, o judiciário é composto na sua maioria por pessoas brancas e que fazem de tudo para negar que esses casos se tratam de racismo. Querem de toda forma continuar defendendo a imagem mentirosa de ” Democracia racial” que nunca existiu.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.