“Esse é o grito da nossa geração: ‘Fogo nos racistas!’”, Djonga incendeia último dia de Lollapalooza

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Politizado, direto e reto. Foi assim que o rapper Djonga se apresentou no Lollapalooza Brasil neste domingo (27). Com suas guias de candomblé no no pescoço o mineiro levou o público do festival ao delírio com suas música.

O rapper entregou o que seu público esperava e mais um pouco. “Esse grito é o grito da nossa geração: Fogo nos racistas! Aproveita que está na TV, essa é a hora do Brasil ouvir, no horário quase nobre. Nós não aguentamos mais perder crianças na favela vítimas de bala perdida”, disse o rapper.

Para o advogado Inácio Senedo, a mensagem de Djonga tem que ser ouvida por todos, negros e não negros: “Ele sempre traz mensagem pesada e energia bombástica no show. Ele tem uma representatividade enorme e passa uma mensagem importante para os negros, mas também acho que é importante que ele consiga atingir o público branco, para que eles entendam o que está acontecendo. Vejo ele como um artista bem importante na nossa cena musical de hoje”, disse o paulista de 32 anos.

Os amigos Inácio Senedo e Victor Lopes momentos antes do show do rapper Djonga

LEIA TAMBÉM: Emicida emociona o público do Lollapalooza Brasil: “Respirem fundo e digam: ‘eu vou fazer desse mundo um lugar melhor’”

Além de jogar luz sobre a questão racial, Djonga é para muitos dos seus fãs um incentivador de sonhos. “Ele mostra que a gente sempre pode mais e isso impacta muito no nosso dia a dia. Isso nos dá  força para continuar e conquistar o que a gente merece”, disse o engenheiro Victor Lopes, de 35 anos.

Djonga encerrou sua participação cantando “Olho de Tigre” com seu famoso refrão “fogo nos racistas”. Nesse momento o artista desceu do palco, foi para o meio do público e pediu para abrirem uma roda. O músico ficou no meio do público e disse: “Esse é o dia mais feliz da minha vida. Sair de onde eu saí e chegar aqui com tanto amor e carinho. Obrigado Lollapalooza”.

Djonga finalizou dizendo que a luta antirracista não é uma obrigação apenas dos negros, e sim, de toda a sociedade: “Muitas pessoas aí não tem a verdadeira noção da importância dessa luta, mas entende. Isso é para vocês também. Vocês tem que lutar junto com a gente porque o bagulho é difícil demais”, declarou o artista.

APOIO-SITE-PICPAY

5 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.