Dois anos após a morte de Ágatha Felix, família ainda aguarda julgamento de PM acusado

APOIE O NOTÍCIA PRETA

No último dia 20 completou dois anos da morte de Ágatha Vitórias Sales Felix, de oito anos. No entanto, mesmo o inquérito da Polícia Civil ter concluído que a bala que matou a menina partiu da arma do policial militar Rodrigo José de Matos Soares, o julgamento do caso não teve início no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

De acordo com os investigadores, o policial confundiu a esquadria de alumínio carregada pelo passageiro da moto com uma arma. A bala bateu num poste, ricocheteou e atingiu Ágatha.

Após as investigações o policial foi denunciado por por homicídio doloso, por erro de execução e virou réu, porém já se passaram dois anos e a Justiça ainda não deu início ao julgamento do caso, a primeira audiência já foi desmarcada três vezes.

A família de Ágatha Felix vem sendo acompanhada pela Comissão de Direitos Humanos da OAB que entrou com uma petição pedindo uma nova data para a audiência. Em entrevista ao G1 o advogado da OAB Rodrigo Mondego diz que o trabalho da Polícia Civil e do Ministério Público correu, mas na Justiça está lento.}

Ágatha Félix tinha oito anos e morreu após ser baleada nas costas — Foto: Reprodução/TV Globo

Entenda o caso de Ágatha Felix

Ágatha Felix foi morta no Morro da Fazendinha, localizado no Complexo de favelas do Alemão, na Zona Norte do Rio de Janeiro. A menina estava dentro de uma kombi com sua mãe quando foi baleada nas costas.

Na época moradores afirmaram que policiais militares atiraram contra uma moto que passava pelo local, e o tiro atingiu a criança. A menina chegou a ser levada para a Unidade de Pronto Atendimento do Alemão e transferida para Hospital Getúlio Vargas, mas não resistiu aos ferimentos.

APOIO-SITE-PICPAY

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.