Cantora Adele usa cabelos com Bantu knots e é criticada por apropriação cultural

APOIE O NOTÍCIA PRETA

A cantora Adele está sendo acusada por internautas norte-americanos de apropriação cultural após publicar em uma rede social uma foto da roupa e do penteado que usaria no carnaval de Notting Hill, em Londres. A festa, que aconteceria neste final de semana, foi cancelada devido à pandemia de Covid-19. O visual da cantora é composto de um biquíni com a bandeira da Jamaica e os cabelos com Bantu knots, um estilo de penteado tradicionalmente usado por mulheres negras. Os fãs a criticaram por ser uma pessoa branca usando trajes característicos de uma cultura negra no Caribe.

“Você não é negra”, comentou uma internauta identificada como Barbie Kills. “Você não é uma irmã caribenha”, escreveu outro. “Sério, Adele, isso é apropriação cultural. Você deveria se informar melhor”, criticou outra internauta.

As críticas continuaram: “Isso é o que acontece quando você convida muitas pessoas para o churrasco e chega de convites #Adele #Bantu”, escreveu um usuário no Twitter. “Com toda essa injustiça racial acontecendo, Adele achou que estava tudo bem?#Adele # apropriação cultural ”.

Algumas pessoas chegaram a defender a cantora. Uma delas escreveu: “Os negros americanos estão agindo como [se fossem] guardiões da cultura africana/caribenha, e ainda assim alguns pensam que caminhamos com leões”, ironizou um seguidor. Outro publicou: “Primeiro a criticaram pelas decisões que tomou em relação ao seu corpo e agora vão começar esse negócio de apropriação cultural … deixe Adele em paz. #Adele ”. A cantora não se pronunciou oficialmente sobre o assunto.

APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, fundadora e CEO do portal Notícia Preta e podcaster do Canal Futura. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.