“Alguém na minha posição pode mostrar que nós, mulheres e negros, temos voz”, diz Serena Willians, capa da Vogue britânica deste mês

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Desde sua estreia no tênis profissional em meados dos anos 90, Serena Williams tem usado consistentemente sua voz para denunciar racismo, tanto na quadra quanto fora dela – ultrapassando obstáculos raciais e sexistas e conquistando assim quatro ouros olímpicos e 23 Grand Slam ao longo dos anos.

Estrelando a capa da revista Vogue britânica deste mês, a tenisata falou sobre a árdua batalha que ela teve que enfrentar para se tornar uma das tenistas mais premiadas do mundo. “[Mas] eu nunca fui uma pessoa que disse, ‘Eu quero ter uma cor diferente’ ou ‘Eu quero que meu tom de pele seja mais claro.’ Gosto de quem sou, gosto de minha aparência e adoro representar as lindas mulheres negras por aí. Para mim, é perfeito. Eu não gostaria de ser de nenhuma outra maneira“, declarou a tenista.

Este ano de 2020, entretanto, está sendo um ano tenso para a campeã de tênis e mãe de um filho, devido a morte de George Floyd e os protestos Black Lives Matter que a levaram a refletir ainda mais profundamente sobre as injustiças enfrentadas pela comunidade afro-americana nos EUA desde o início do comércio de pessoas escravizadas.

Agora, nós negros, temos voz – e a tecnologia tem sido uma grande parte disso”, disse Serena em entrevista a diretora de notícias de moda da Vogue britânica, Olivia Singer, em sua casa em Hollywood Hills. “Vemos coisas que estão escondidas há anos; as coisas pelas quais nós, como pessoas, temos que passar. Isso vem acontecendo há anos. As pessoas simplesmente não conseguiam pegar seus telefones e fazer um vídeo antes … No final de maio, muitas pessoas brancas me escreviam dizendo: ‘Sinto muito por tudo que você teve que passar.’ Acho que por um minuto eles começaram – a não entender, porque não acho que você possa entender – mas eles começaram a ver. Eu fiquei tipo: bem, você não viu nada disso antes? Tenho falado sobre isso durante toda a minha carreira. Tem sido uma coisa atrás da outra“.

De sua parte, Williams está fazendo tudo o que pode para mudar o status quo – incluindo o trabalho incansável para promover vozes periféricas por meio de sua empresa de capital de risco e sua marca de moda. “O tênis é uma pequena jogada em todo o esquema das coisas”, ela pondera. “Nesta sociedade, não se ensina nem se espera que as mulheres sejam futuras líderes ou CEOs. A narrativa tem que mudar. E talvez não melhore com o tempo para mim, mas alguém na minha posição pode mostrar às mulheres e pessoas de cor que temos voz, porque Deus sabe que uso a minha. Eu adoro defender as pessoas e apoiar as mulheres. Ser a voz que milhões de pessoas não têm“.

A maior inspiração da atleta é Olympia, sua filha de três anos, que renovou seu apreço por seu próprio corpo. “É incrível que meu corpo tenha sido capaz de me dar a carreira que eu tive, e estou muito grato por isso. Eu só queria ter sido grata antes ”, diz ela. “O círculo se completa quando eu olho para minha filha“.

O aumento da visibilidade e representatividade na mídia também ajudou. “Quando eu estava crescendo, o que era celebrado era diferente”, continua Williams. “Vênus parecia mais com o que é realmente aceitável: ela tem pernas incrivelmente longas, ela é muito, muito magra. Eu não vi pessoas na TV que se pareciam comigo. Não havia imagem corporal positiva. Era uma época diferente“.

E apesar de todas as dores que carregou até 2020, a mulher de 39 anos continua otimista sobre o futuro – apoiando-se em um grupo coeso de amigos incluindo Oprah , a Duquesa de Sussex e Beyoncé para manter seu ânimo; empurrar para a mudança; e ajudá-la a permanecer fiel a si mesma. “Nunca fui como ninguém na minha vida e não vou começar agora”, diz a campeã.

APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, fundadora e CEO do portal Notícia Preta e podcaster do Canal Futura. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.