Tomate e cenoura aumentaram 156% em um ano, aponta IBGE

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Um levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), mostra que os produtos mais comuns na alimentação do brasileiro tiveram aumentos significativos nos últimos 12 meses e os vilões nesta lista são a cenoura e o tomate, chegando a 15% de aumento. A pesquisa foi realizada com base nos dados do índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15), utilizado para medir a inflação no país e divulgada nesta quinta-feira (28).

Tomate e cenoura foram os vilões da inflação nos últimos 12 meses – Foto: Reprodução

A pesquisa mostrou ainda que a abobrinha e o aipim (mandioca em determinados locais) tiveram um reajuste de 68% e, somente em 2022, foram 46% de aumento. De acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o tomate chegou a esse patamar devido à transição de safra de verão com o inverno. No caso da cenoura, a redução da produção de Minas Gerais, um dos maiores fornecedores do país, elevou o preço do produto.

Leia também: Dia Mundial da Educação: educadora ressalta a importância do ensino de história e cultura afro-brasileira nas escolas

“O salário do brasileiro aumenta uma vez por ano e os preços estão subindo mensalmente e, às vezes, diariamente, o que obrigaria a mudança de hábitos de consumo para manter o saldo positivo no final do mês. O brasileiro vai notar o aumento das despesas, fluxo de caixa negativo no final do mês, maior uso do cheque especial e do cartão de crédito”, comenta Myrian Lund, planejadora financeira.

Outros produtos da mesa do brasileiro também tiveram reajuste no preço, como é o caso da batata (38,68%), a laranja-baía (25,4%) e o mamão (40,33%). Já o macarrão (15,03%) e farinha de trigo (19,82%) tiveram aumentos médios inferiores aos outros produtos. O Fubá, um dos produtos mais baratos da cesta básica, também sofreu reajuste de 29% no período estudado.

APOIO-SITE-PICPAY

Igor Rocha

Igor Rocha é jornalista, nascido e criado no Cantinho do Céu, com ampla experiência em assessoria de comunicação e escritor nas horas vagas. Editor e coordenador regional do Notícia Preta

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.