“Precisamos de mais roteiristas e diretores negros”, diz Sol Menezzes, atriz da série ‘Irmandade’ do Netflix

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Sol Menezzes, irmã caçula da atriz Sheron Menezzes, interpreta a personagem Juliana na série brasileira do Netflix, Irmandade. Protagonizada pelos atores Seu Jorge e Naruna Costa, a historia aborda o tema das facções dentro dos presídios. Para Sol, é importante refletir sobre essa realidade onde a população carcerária no país é maioria negra. 
“Essa série além de falar sobre a podridão do sistema carcerário no Brasil, eu tenho a chance de interpretar uma mulher forte, inteligente e batalhadora que se coloca em segundo plano para carregar a família nas costas”, destaca Sol.

A atriz reforça também a importância de maior inclusão de atores negros e negras no audiovisual, tema importante já que estamos no mês da Consciência Negra.

“Enquanto as histórias forem escritas por pessoas não negras, sempre estaremos em lugares estereotipados. A gente quer se ver sem ser em uma história triste, sem violência, sem prostituição, sem hipersexualização. A gente quer se ver tendo felicidade no amor, no trabalho, na vida financeira. Nós temos histórias tristes sim, mas é importante sermos representados como pessoas pretas que também riem, se divertem e são felizes. Por isso precisamos de mais roteiristas e diretores negros para mudar essa realidade”, pontua a atriz.

Antenada nas artes de uma maneira geral, a artista fala sobre o Workshop “Mapeando Sensações”, do qual é professora e tem início nesta segunda-feira (11/11) em São Paulo.

“O workshop é voltado para atores e estudantes de arte cênica. É um projeto que dura um mês e tem oito aulas. Comecei a estudar com oito anos e minha ideia era montar um método de tudo que eu absorvi para ajudar outros atores. Desde que eu comecei a dar algumas aulas, o retorno tem sido incrível”, explica Sol. 

O curso é focado em interpretação para audiovisual e tem o intuito de mapear sensações através dos estudos de fisicalidade, respiração, conscientização dos sentidos, chakras, cromoterapia, entre outros estímulos. Para a atriz, o maior diálogo com o cotidiano do aluno faz parte do processo de aprendizagem. 

“No Brasil, as escolas que a gente estuda interpretação são muito eurocêntricas e, às vezes, elas não condizem com a gente. Eu penso interpretação através do corpo. A minha ideia é que o ator tenha ferramentas para fazer um bom trabalho sempre e de forma totalmente independente”, finaliza a artista.   
Foto: Divulgação
Serviço: 

Workshop “Mapeando Sensações”

Data: 11/11 a 04/12/2019

Local: Matilda Casa- Rua Martnico Prado, 222 – Vila Buarque – SP/SP

Inscrições pelo link na bio do Instagram de @solmenezzes

APOIO-SITE-PICPAY

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.