“Precisa de um bom banho”: Mario Frias perde processo por comentário racista

APOIE O NOTÍCIA PRETA

O secretário especial de Cultura, Mario Frias, perdeu uma ação que movia contra o ator Armando Babaioff por danos morais, após ter feito um comentário racista sobre o ativista negro Jones Manoel. Em 2021, Mário processou Armando por ser chamado de “racista”, “bosta” e “sem talento”, após escrever no Twitter que o ativista “precisava de um bom banho”. 

O ativista Jones Manoel e Mario Frias. Foto: Reprodução Redes Sociais

A decisão da ação movida por Frias foi julgada improcedente pelo 6º Juizado Especial Cível de Brasília, no Distrito Federal, e publicada na sexta-feira (18). Além de considerar que as definições de Babaioff sobre Frias partem da opinião pessoal, referente a uma pessoa “política que é ocupadora de cargo público”, sendo assim, sujeita ao “escrutino popular”. O juiz destacou ainda que o racismo é “notório” em nosso país e que “há a incorreta e lamentável associação de afrodescendentes a aspectos negativos, tais como a sujeira”

Leia também: Mario Frias faz comentário racista sobre ativista negro: ‘Precisa de um bom banho’

Na ocasião do fato, o ativista Jones Manoel disse que iria comprar fogos de artificio para eventual agravamento do quadro clínico do presidente Jair Bolsonaro e o comentário ter sido manchete de um jornal. Em resposta ao que Jones havia dito, o assessor da Presidência da República Tércio Arnaud Thomaz questionou quem era Jones Manoel em um post em rede social. Mário então respondeu dizendo: “Não sei. Mas se soubesse diria que ele precisa de um bom banho”. O comentário foi visto como racista por Manoel que disse: “Governo liberal-fascista de Bolsonaro é lotado de racistas, nazistas e tudo que não presta”. A decisão ainda cabe recurso.

Após a repercussão, Mario rebateu: “Não venham tentar ofuscar a gravidade dos ataques ao PR [presidente da República] chamando de racista quem sempre repudiou o racismo. Toda pessoa suja precisa tomar banho e não existe pessoa mais suja do que aquela que deseja e celebra a morte de um chefe de estado democraticamente eleito, enquanto louva um genocida como Stalin [comandante da antiga União Soviética]”, escreveu à época. 

APOIO-SITE-PICPAY

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.