PGR extingue Secretaria de Direitos Humanos, responsável por analisar ações contra invasões de terras em comunidades tradicionais

APOIE O NOTÍCIA PRETA

O procurador-geral da República, Augusto Aras Foto: Agência O Globo / Daniel Marenco

Na noite da última sexta-feira (24), o procurador-geral da República, Augusto Aras, extinguiu as Secretarias de Direitos Humanos e Defesa Coletiva e de Relações Institucionais. O procurador responsável pela Secretaria de Direitos Humanos é o bolsonarista assumido e conservador, Ailton Benedito de Souza, procurador-chefe do Ministério Público Federal (MPF) em Goiás. Cabia a Benedito, que se descreve como “anticomunista”, ser gestor da pasta responsável, por exemplo, pela análise de ações contra invasões de terras em comunidades tradicionais e também por processos voltados à federalização de investigações travadas nos estados.

O não encaminhamento das ações contra invasões de terras quilombolas é um tema de interesse da família Bolsonaro. Em setembro de 2019, o empresário Theodoro da Silva Konesuk, cunhado do presidente, casado com uma de suas irmãs, foi condenado por invadir um desses territórios, no município de Iporanga (São Paulo). Theodoro devolveu uma área pertencente aos remanescentes do quilombo do Bairro Galvão, em Iporanga, município vizinho de Eldorado mas, de acordo com os quilombolas, funcionários do empresário voltaram ao local, destruíram as cercas e as plantações de bananas dos agricultores. O cunhado de Bolsonaro utilizava a terra pública para criar gado.

Leia também: Em meio pandemia do coronavírus, Governo Federal anuncia a remoção de 30 comunidades quilombolas no Maranhão

A portaria assinada por Augusto Aras na última sexta-feira estabelece, além das questões relacionadas as invasões de terras em comunidades tradicionais , diversas mudanças no funcionamento de seu gabinete como, por exemplo, que o procurador-geral poderá suspender, por até 180 dias, os procedimentos preparatórios para um pedido de federalização – as ações são chamadas de incidentes de deslocamento de competência (IDCs). A suspensão ocorreria para “acompanhamento de providências no âmbito estadual”.

Coube a Secretaria de Direitos Humanos do gabinete da procuradora-geral, elaborar o pedido para a federalização das investigações da execução da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e de seu motorista Anderson Gomes. O procedimento ainda não foi julgado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O prazo é de 60 dias para que todas as áreas do gabinete da PGR se adaptem ao novo regimento. Já foi função desta secretaria, em gestões anteriores, as ações para suspender reintegrações de posse quando comunidades tradicionais são impactadas.



APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e com especialização em audiovisual pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, assessora de imprensa e idealizadora do portal Notícia Preta, um site de jornalismo colaborativo. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.