Crise diplomática: Brasil não é convidado para aliança da OMS contra o coronavírus

APOIE O NOTÍCIA PRETA
O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, nomeou a aliança de “colaboração histórica”.

Na última sexta-feira (24), a Organização Mundial da Saúde (OMS) formou uma aliança com líderes mundiais para acelerar o desenvolvimento e a distribuição de testes, tratamentos e vacinas contra a Covid-19, o novo coronavírus. Entretanto, o Brasil que historicamente liderou discussões sobre medicações e tratamentos, não foi convidado. 

A aliança marcou o compromisso de que qualquer tratamento ou vacina que sejam criados, serão disponibilizados a todos os países. O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, nomeou a aliança de “colaboração histórica”. O evento virtual contou com a participação de especialistas e líderes de 11 países, de diferentes continentes. 

Ainda segundo o diretor-geral da OMS, a experiência mostra que, mesmo quando existem, os recursos não estão igualmente disponíveis para todos os países. “O mundo precisa dessas ferramentas e rápido. Não podemos permitir que isso aconteça”, disse ele.

Diplomacia brasileira em crise

No dia anterior ao evento, quinta-feira (23), durante uma transmissão ao vivo, o presidente do Brasil Jair Bolsonaro (sem partido) negou a acusação de genocídio ao descumprir orientações da OMS no combate ao coronavírus e tentou justificar o motivo pelo qual tem ignorado a organização, atacando-a.

“O pessoal fala tanto em seguir a OMS, né? O diretor da OMS é médico? Não é médico. É a mesma coisa se o presidente da Caixa não fosse da economia. Não tem cabimento”, afirmou Bolsonaro.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, é formado em biologia, tem mestrado em imunologia de doenças infecciosas da Universidade de Londres, e fez doutorado em saúde comunitária na Universidade de Nottingham, também no Reino Unido. Tedros atuou ainda como Ministro da Saúde da Etiópia entre os anos de 2005 e 2012.


APOIO-SITE-PICPAY

Samily Loures

Baiana em terras capixabas, é formada em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pela Ufes (Universidade Federal do Espírito Santo). Com atuação em publicidade social e pesquisa em Identidade Negra, acredita que a comunicação pode ser instrumento de mudanças sociais. Apesar de militante e sagitariana, consegue levar a vida com serenidade. E deboche.

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.