Mãe denuncia racismo contra crianças no Paraná: “é um olhar de ódio e raiva”

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Uma mulher, que preferiu não se identificar por medo de retaliações, denunciou um caso de racismo sofrido pelos filhos na cidade de Paiçandu, no interior do Paraná. Segundo ela, em entrevista à TV Record, os filhos vivem situação de segregação na cidade onde residem há algum tempo. “A minha filha sentiu o racismo. As outras crianças, enquanto brincam na rua, se afastam dela. É um olhar de ódio e raiva para uma criança”, relatou.

Mãe denuncia racismo recorrente no interior do Paraná – Foto: TV Record

A mãe das crianças explicou o incômodo com uma vizinha que, inclusive, direcionou ofensas a ela, ao mesmo tempo em que insultava os seus filhos. Ainda de acordo com a mulher, todas essas situações foram recorrentes por cerca de três anos, até novembro do ano passado, quando a mulher entrou em discussão com a vizinha após a mesma insultar novamente a criança. “Ela fazia essas ofensas em vias públicas e todo mundo via. Eu fiz boletim de ocorrência, já fui na Igreja, falei com o Padre e nada adiantou. Infelizmente, eu agredi ela”, relatou.

Xingamentos

Não satisfeita, a vizinha xingou a mãe e os filhos de “pretos vagabundos” e “encardidos”, tudo isso de forma pública, nas ruas do bairro. Além disso, segundo a mãe das crianças, a agressora a feriu verbalmente em relação ao cabelo afro dela. “A minha filha também tem o cabelo afro. O momento que você vê alguém mexendo com um filho seu, sobre coisas que não pode mudar, você vai tirar a cor da pele dela? Eu vou tirar a cor da nossa pele?!”, questionou a mulher.

Os sintomas do racismo refletidos na relação com os filhos

As violências incessantes dessa vizinha acarretaram no afastamento da mãe e dos filhos. De acordo com o relato dela, os filhos precisaram sair do bairro durante as férias para que fossem preservados, devido aos insultos raciais constantes. “A minha revolta maior é que eu vivi isso quando era criança e meu esposo também. Mas eu não achei que a minha filha fosse viver. Ela sentiu (racismo), e falava: ‘mamãe, eles vêm somente até a mim, eu já pedi desculpa para eles’. Ela pedia desculpa mesmo quando não estava errada”, completou a mãe.

APOIO-SITE-PICPAY

Luis Fernando Filho

Jornalista formado pela UFSM, militante dentro dos movimentos negros e estudantis, com experiências em veículos de comunicação independentes. Um amante do futebol e apaixonado por histórias de pessoas reais. Minha maior paixão é a reportagem.

1 Comment

  • O sul do Brasil é a pior parte no nosso país. São racistas e preconceituosos,sim!!! Eles acham que fazem parte da Europa mas são iludidos mesmo. Ou pensam que fazem parte da Argentina, que nem é grande coisa! 🤣

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.