“Macumber”: motorista oferece corridas para fiéis de religiões de matrizes africanas

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Edson Araujo é motorista de aplicativo e ficou conhecido nas redes sociais como “macumber”. Isso porque ele dá preferência aos atendimentos para pessoas que são de religiões de matrizes africanas. Ele lembra que, atualmente, 70% das suas corridas são desse público e optou por isso depois de ter passado por situações de preconceito.

Anúncio de Edson – Foto: Divulgação

“Assim que eu comecei a trabalhar em aplicativo, eu já senti o desejo de fechar este tipo de serviço. Porque eu mesmo já sofri formas de discriminação quando eu ia para algum lugar trajado com a roupa do Candomblé. Então pensei em criar um tipo de serviço onde as pessoas de religiões de matriz africana pudessem se sentir confortáveis e sem medo”, afirma o também praticante do candomblé, em entrevista ao G1.

Em seu anúncio, Edson diz que o espaço é para atendimento às pessoas que vão para os rituais ou festas das religiões e não têm como retornar para casa. “Vai para saída de santo e não tem como voltar? Macumber é a solução”, diz o anúncio. “Como eu mesmo já sofri discriminação, o intuito é minimizar esse dano. A gente faz o possível”, conta.

Eu tive a ideia do serviço e postei em grupos de Facebook. Aí, uma participante de um grupo gostou e compartilhou em um grupo privado. Ela entrou em contato comigo, disse que adorou e que ela e as amigas me apelidaram de ‘Macumber’. Eu adorei e perguntei se podia utilizar e ela deixou“, explica.

Ele explica também que, se existe um ritual a ser seguido, como deixar oferendas, ele espera a pessoa realizar todo o ritual para ter certeza que ela voltará em segurança. “Se tem que deixar algo na rua, eu vou e espero. Se tem que ir a uma cachoeira, eu vou e trago de volta”, diz.

Edson Araújo opta pelo transporte de pessoas de religiões de matrizes africanas – Foto: Arquivo Pessoal

Leia também: “Estão tentando me calar”, diz Luva de Pedreiro após ex-empresário conseguir liminar para barrar suas entrevistas

Outro detalhe relatado por Edson é sobre valores. Ele tenta cobrar os valores mais próximos dos aplicativos de transporte, mas inclui o deslocamento no valor. “A diferença para o aplicativo é essa: o motorista está ao redor da casa da pessoa. Eu calculo o meu custo de combustível, exorbitante do jeito que está, e de acordo com a pequena porcentagem do lucro, que é baixa”, afirma.

Eu procuro ter todo o cuidado, por mais que demore um pouco mais a corrida. Para que a pessoa e o que ela leve sigam em segurança. Eu tenho recebido um retorno bem positivo”, finaliza.

No Rio de Janeiro, 91% das denúncias de racismo religioso é contra fiéis de religiões de matrizes africanas, segundo um levantamento da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa do Estado.

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Igor Rocha

Igor Rocha é jornalista, nascido e criado no Cantinho do Céu, com ampla experiência em assessoria de comunicação e escritor nas horas vagas. Editor do Notícia Preta.

3 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.