Livros inéditos de Carolina Maria de Jesus chegam às livrarias

APOIE O NOTÍCIA PRETA

“Casa de Alvenaria 1: Osasco”  e “Casa de Alvenaria 2: Santana” são os dois novos livros com trechos inéditos dos diários da escritora Carolina Maria de Jesus (1914-1977), autora dos já clássicos e mundialmente conhecidos “Quarto de Despejo”e “Diário de Bitita”. Os dois novos livros revisitam a obra de mesmo nome, publicada em 1961, mas com novos períodos temporais das escrevivências diárias de Carolina.

Carolina deixou um vasto legado literário – Foto: Reprodução

A estreia do projeto de edição dos cadernos de Carolina Maria de Jesus é nesta sexta-feira (06), com o lançamento de “Casa de Alvenaria”, primeiro volume. No volume Osasco, Carolina conta sobre o período depois de “Quarto de Despejo”, em que ela deixa a favela do Canindé e se muda com os filhos para outra cidade paulista. As organizadoras consideram uma sequência para quem fica curioso com o que aconteceu depois que Carolina é reconhecida como escritora.

A edição é da Companhia das Letras e revela os escritos de agosto de 1960 a dezembro de 1963 dos manuscritos originais de Carolina. O conselho curador é coordenado pela também escritora Conceição Evaristo e por Vera Eunice, filha de Carolina. Ainda integram o grupo Amanda Crispim, Fernanda Felisberto, Fernanda Miranda, Raffaella Fernandez e outras quatro pesquisadoras.

Outros livros podem ainda ser lançados porque já se sabe que Carolina deixou cadernos e mais cadernos com seus diários em que ela escrevia à noite depois do trabalho como catadora, ou no meio dos dias de trabalho quando estava cansada, ou tinha alguma ideia, como a própria Carolina descrevia em Quarto de Despejo.  

Apesar de ser uma das principais responsáveis pela manutenção da memória das obras da mãe, Vera, conta sempre ao falar dela que não gosta muito de reler as obras porque lembra-se dos tempos difíceis da infância. “É muito complicado para mim. Queria ler sua obra como leio Machado de Assis, mas não consigo. Começo, paro, me emociono, lembro dela”, contou ao Estadão ao revelar as novas obras que virão. “Agora, como fiz o prefácio de Casa de Alvenaria, voltei a reler e cheguei à conclusão de que minha mãe foi mais infeliz na sala de visita do que no quarto de despejo”, conclui.

APOIO-SITE-PICPAY

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.