Harvard será processada por usar fotos de escravizadas para pesquisa em 1850

APOIE O NOTÍCIA PRETA

A Universidade de Harvard, uma das mais concorridas dos Estados Unidos, será processada por fotografar pessoas escravizadas e utilizar as imagens na pesquisa, em 1850. A instituição ignorou os contatos feitos por Tamara Lanier, que é descendente das duas mulheres que estão despidas na fotografia e desejava ter mais informações sobre as fotos. 

Tamara Lanier foi ignorada pela direção da Entidade – Foto: Arquivo Pessoal

De acordo com a decisão da justiça de Massachusetts, na última quinta-feira (23), pela faculdade ter ignorado e “maltratado” Lanier em seus pedidos, pode ser movido um processo, mas as fotos não devem ser entregues a ela por não ter direito de propriedade sobre as imagens. A Suprema Corte de Justiça de Massachusetts definiu como um “papel horrível e histórico” o objetivo de Harvard, e “escandalosas” as circunstâncias da produção.

A pesquisa feita pelo professor Louis Agassiz, tentava comprovar a inferioridade do negro. As fotos foram tiradas em plantações, na Carolina do Norte. Renty Taylor e sua filha, Delia, foram forçadas a ficarem nuas para serem fotografadas. Além disso, a instituição colocou a fotografia como capa de um livro. 

Leia também: “Avisa Lá Que Eu Vou”: Globo renova contrato com Paulo Vieira para segunda temporada

O parecer do juiz retorna com um processo iniciado em 2019 por Tamara Lanier e os seus advogados, Ben Crump e Josh Koskoff. Eles disserem que a decisão foi história e permitia a continuação da batalha legal e moral pela justiça. A instituição disse que vai analisar a decisão da Suprema Corte. 

APOIE O NOTÍCIA PRETA

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.