Governo Bolsonaro censura EBC sobre notícias relacionadas ao assassinato no Carrefour

APOIE O NOTÍCIA PRETA

O assassinato de João Alberto Silveira Freitas, em uma unidade do hipermercado Carrefour, em Porto Alegre, no dia 19 de novembro, foi ignorado de propósito pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e a Agência Brasil. As empresas públicas teriam sido orientadas a evitar a divulgação de notícias relativas ao caso, segundo informação publicada pelo colunista Guilherme Amado, da revista Época.

Segundo a Época, a ordem foi dada por escrito a funcionários da Agência Brasil no dia 20, dia seguinte ao assassinato.

No dia da Consciência Negra, uma dia após a morte de João Alberto, a maioria dos veículos de comunicação repercutia o caso. A Agência Brasil, entretanto, teve uma publicação por hora no Twitter – quatro sobre futebol, e uma sobre uma agenda positiva do Itamaraty.

Enquanto as empresas públicas de notícia se calavam por ordem do Governo Federal,o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o vice, Hamilton Mourão (PRTB), diziam publicamente que não existe racismo no Brasil e que “temos problemas muito mais complexos do que questões raciais”.

Está não é a primeira censura do atual governo nas empresas públicas de notícias. No ano passado o diretor de programação da TV Brasil, Vancarlos Alves, foi demitido após uma imagem de Marielle Franco, vereadora assassinada em abril de 2018, aparecer durante cinco segundos em um programa da TV Brasil. Duas semanas depois, a emissora publicou no YouTube uma nova edição, sem Marielle e programa acabou.

A utilização do termo ‘fuzilamento’ para citar a execução do músico Evaldo dos Santos Rosa, que teve o carro fuzilado pelo Exército com mais de 80 tiros de fuzis, no Rio de Janeiro, também foi expressamente proibida na EBC em abril de 2019.

Outros termos proibidos na EBC são “ditadura” e “golpe”. O órgão público deve se referir aos anos de chumbo como “regime militar” ou “período militar”.

APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e com especialização em audiovisual pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, assessora de imprensa e idealizadora do portal Notícia Preta, um site de jornalismo colaborativo. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.