Don’t touch my hair

APOIE O NOTÍCIA PRETA
Crédito: Bruce Mars

A construção da identidade negra é um processo contínuo e atravessa diversos registros da experiência humana – nas relações consigo mesmo, com as outras pessoas e com as instituições. A nuance mais observada no dia a dia é possivelmente a aparência e nela o assunto cabelo ganha destaque.

Inicialmente, a imposição do visual alisado para meninas e do raspado para meninos sob a alegação do visual natural ser ruim é a primeira barreira a ser rompida. Quando é aberta a janela dos penteados negros, a referência ganha espaço em um cenário eurocentrado e, até então, pouco fustigado devido a restrição de meios de vocalização.

O que isso significa? Apenas relembrem os casos recentes de racismo (no Brasil, popularmente noticiadas como “polêmicas”) envolvendo fotos para documentos oficiais. A régua da normatização, criada por outros, não tem espaço para nossas expressões, por mais cotidianamente simplórias que sejam: um penteado.

Focando nas comunidades negras, é curioso observar que são dois tipos de reações as mais comuns ao se deparar com alguém adotando um cabelo afro – mais fortemente o “black power”, visto que as tranças, em suas variáveis, popularizaram-se entre influenciadores (como artistas e intelectuais).

Em um primeiro caso, há entre os mais velhos uma nostalgia a referência, lembrando do movimento de mesmo nome, da moda dos anos 70 e de ícones como “The Jackson 5”. É notável um misto de satisfação com a memória e lamento pelos caminhos que os obrigaram a se padronizar, uma “necessidade” de sobrevivência.

Já entre os mais novos, ainda tateando referenciais, há um questionamento que mostra o quão violento é o peso do racismo estrutural: “Em que você trabalha”? São dois alçapões: como conseguir um emprego com este visual e como seu patrão te deixa exercer uma profissão sem mudá-lo. Ou seja, há lugares (muitos) inalcançáveis se você não abrir mão de você.

É presente a discussão sobre a substância do empoderamento étnico calcado na realização estética, porém desconsiderar o fato de vivermos numa sociedade imagética é ignorar que nossos corpos provocam repulsa ao status quo preconceituoso que move o capitalismo sob o qual resistimos.

O reconhecimento da importância de de permitir aos jovens, desde muito, a liberdade de identificarem sua pele nas diferentes formas que seus cabelos podem adotar é lhes dar o entendimento que o controle sobre quem são é deles, não de uma cartilha de comercial de margarina 

Ah, e não – você não pode tocar no meu cabelo.

APOIO-SITE-PICPAY

Cipriano Jr

Cursou Comunicação Social (Jornalismo) na UFRJ e atuou como repórter na EBC, no diário Lance! e na MBPress - aqui, produzindo conteúdo para a editoria de esportes dos portais UOL e IG. Atualmente, trabalha como analista na equipe digital da FSB Comunicação. Publica quinzenalmente textos de opinião e ficção em seu espaço no Medium. Twitter: @cizenando_ Medium : @cizenando

1 Comment

  • Que texto bem forte. Eu me incomodo muito com essas posturas de brancos generosos. Será que garantem direito trabalhista para as trabalhadoras domésticas que estão em suas casas?

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.