Com a justificativa de combate ao racismo, Grupo Boticário extingue o termo “Black Friday”

APOIE O NOTÍCIA PRETA

O CEO do grupo Boticário fez o anuncio público através de um artigo no LinkedIn

Imagem publicada como suporte ao texto do CEO

Nesta terça-feira (29), através do LinkedIn, Artur Grynbaum, CEO do Grupo Boticário, anunciou que o termo “Black Friday” deixa de ser utilizado no grupo como parte de algumas ações de combate ao racismo. O grupo formado pelas marcas O Boticário, Eudora, quem disse, berenice?, Beautybox, Multi B, Vult e Beleza na Web, vai usar o termo “Beauty Week” nas ações promocionais.

Em um texto intitulado “O nosso adeus ao uso do termo Black Friday”, Artur Grynbaum explica que “há anos conversamos sobre a possível origem do termo “Black Friday”, sobre a ausência de dados científicos que comprovem que ele realmente não se relaciona à questão da escravatura. Então, respeitando os movimentos que sentem desconforto com o termo, decidimos parar de refletir e começar a agir – não teremos mais o termo Black Friday no Grupo Boticário.”

O Grupo Boticário é um dos maiores grupos de beleza do Brasil e do mundo, com cerca de 4 mil lojas, presença em outros 35 mil pontos de venda e é líder no varejo online de beleza, além de atuação em mais 15 países, segundo informações oficiais das empresas. O CEO do grupo ainda escreveu sobre outras ações antirracistas que são promovidas internamente.

“Estamos vivendo a jornada da busca da equidade racial e, para isso, criamos programas de desenvolvimento e mentoria para jovens negros, eliminamos barreiras para tornar nossos programas de estágio e trainee mais inclusivos, ampliamos a reflexão e construção de uma nova atmosfera em nossa rede franqueada, temos um Workshop de Equidade Racial para os colaboradores estudarem sobre como combater o racismo e o preconceito em todas as suas formas, além de muitas outras iniciativas. Essas são algumas das nossas ações quando pensamos nas nossas pessoas e em nossos compromissos públicos com relação à equidade racial”, explica Artur Grynbaum no artigo.

O gestor também aproveitou o momento para usar o termo “lugar de fala” e apontar que “todo o trabalho é realizado junto ao nosso grupo de afinidade ‘Além da Pele’ e o apoio de muitos especialistas”. Artur Grynbaum é dono de 20% do Grupo Boticário e genro do fundador da marca Boticário, Miguel Krigsner, que com 80% da marca acumula uma fortuna de US$ 3,2 bilhões, segundo ranking da revista Forbes de julho de 2020.

Grupo Boticário causa polêmica nas redes sociais

A escolha do grupo Boticário repercutiu nas redes sociais onde algumas pessoas questionaram a necessidade de mudança. O presidente da Fundação Cultural Palmares, Sérgio Camargo, afirmou que era “Mais uma empresa lacradora que perde o senso do ridículo.”

APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, fundadora e CEO do portal Notícia Preta e podcaster do Canal Futura. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.