Clientes acusam dono de bar de racismo e violência contra mulher, em Curitiba

APOIE O NOTÍCIA PRETA

O dono do bar O Torto, Arlindo Ventura, conhecido como Magrão, foi acusado por clientes de racismo e agressão a uma jovem, na madrugada desta quarta-feira (5), após uma discussão na frente do bar. A Polícia Militar (PM) foi chamada e levaram vítima e acusado foram encaminhados para o 12º Batalhão da PM.

De acordo com testemunhas a agressão começou após a vítima acusar o proprietário de racismo. “Ele começou a gritar que ela não ia entrar no bar. Acho que teve um momento que ela começou a gritar mais e jogou cerveja nele. Nisso ele já foi pra cima da menina e deu um soco na cara dela. E começou a voar garrafa pra tudo quanto é lado e as pessoas começaram a correr”, disse Ana Rivelles, que estava no local.

Vitória Luiza publicou em uma rede social a foto do bar fechando e confirma a versão da vítima. Foto: Arquivo pessoal

Um inquérito foi instaurado e caso repercutiu nas redes sociais. De acordo como jornal Bem Paraná, Arlindo declarou que apenas se defendeu das agressões realizadas pela cliente e relatou ter imagens que comprovariam sua versão.

“Não foi dessa forma como estão destacando aí (nas redes sociais). Eu fui extremamente agredido também. Ela jogou um copo na minha direção, que acabou acertando uma cliente. Não justifica o esbarrão que eu dei nela ali, o empurrão, que acabou acertando ela, (mas foi) em defesa do meu estabelecimento, do bar, tudo, mas infelizmente aconteceu isso aí. Mas ela jogou cerveja na minha cara, chutou minha virilha”, acrescentou o dono do estabelecimento.

Um movimento de boicote ao bar foi realizado nesta quarta-feira (05). Militantes protestaram e questionaram a versão do empresário, por isso usaram cartazes dizendo que “foi um soco”.


APOIO-SITE-PICPAY

Gabriella Reis

Jornalista, escritora e web-redatora. "Se ninguém te escuta, escreva!"

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.