Caso Moïse: condições de trabalho em quiosques serão investigadas após assassinato

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Sessenta entidades do Movimento Negro assinaram uma representação para que sejam investigadas as condições de trabalho em todos os quiosques da orla da Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Motivada após o brutal assassinato do jovem congolês Moïse Kabagambe, no último dia 24, a ação foi protocolada pela Frente Nacional Antirracista (FNA), na pessoa da advogada e também coordenadora da Frente, Tamires Sampaio no Ministério Público do Trabalho (MPT).

Moïse
Moïse foi assassinado dia 24 de janeiro na Barra da Tijuca – Foto: Reprodução Redes Sociais

O objetivo é cobrar explicações e providências e evitar que novos casos como este aconteçam. “É um absurdo que no Brasil, um país construído e erguido por irmãos nascidos ou descendentes da Mãe África, tenha acontecido uma brutalidade dessas com um irmão. Não podemos nos calar. Queremos justiça por Moïse”, disse Tamires Sampaio.

Leia também: Caso Moïse inspira campanha de doação de cestas orgânicas para refugiados africanos

Na ocasião, Moïse foi cobrar R$200,00 do empregador referente a dois dias de trabalho. Ele, que morava no Brasil porque sua família fugiu da guerra em seu país, foi amarrado, espancado, torturado e morto. O caso se tornou conhecido seis dias após o assassinato do congolês devido pressão de familiares e da sociedade civil.

Vale lembrar que parentes do congolês fizeram denúncias de intimidação policial quando eles foram até o quiosque na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, em busca de informações sobre o congolês. Em nota, a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ) informou que a Corregedoria Geral da Corporação por meio da 2ª Delegacia de Polícia Judiciária (DPJM) “abriu um procedimento apuratório para averiguar as denúncias e que o trâmite está em andamento”.

APOIO-SITE-PICPAY

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.