Ator Demerson D`alvaro faz história no Carnaval Carioca como Exu no desfile da Grande Rio

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Cria de Honório Gurgel, subúrbio do Rio de Janeiro, o ator Demerson D’alvaro entrou para a história do Carnaval ao encarnar o orixá Exu no enredo “Fala, Majeté! Sete chaves de Exu”, que conquistou o primeiro título do Carnaval Carioca para a escola Grande Rio, nesta terça-feira (26). A proposta da agremiação foi desmistificar a divindade africana, equivocadamente associada ao diabo no imaginário cristão.

O ator Demerson D’alvaro como Exu no desfile da Grande Rio. Foto: Reprodução Redes Sociais

Na comissão de frente da escola, que trazia como destaque o ator personificando Exú, ele se agarrava a um grande globo vermelho, representando a Terra, no qual havia quatro oferendas. Ao chegar ao topo, Exú se deliciava com os alimentos e gargalhava a plenos pulmões. Com suporte técnico do coreógrafo Hélio Bejani, Demerson fez pesquisa de campo dos axés e estudou sobre os balés afros da Bahia. Antes de entrar na avenida, lavou as mãos com uma água de ervas para garantir proteção e abrir os caminhos.
Leia também: Com enredo sobre Exu, Grande Rio é a campeã do Carnaval do Rio 2022 pela primeira vez

O ator contou em entrevista ao Globo que sua família tem representantes de diversas religiões, incluindo uma avó umbandista e mãe evangélica, mas que não frequenta nenhuma igreja ou outro templo religioso, apesar de crer em Deus. Já para o Extra, ele lembrou que já viveu caboclos e pretos velhos na avenida, além de outro Exu, na comissão de frente do Salgueiro, no carnaval de 2016.
A agremiação de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, acumulou 269 pontos pelo desfile que arrebatou os torcedores com a exibição na Marquês de Sapucaí, na madrugada de domingo (24). Para as religiões de matriz africana, Exu representa a comunicação entre os humanos e as divindades. O enredo, desenvolvido pelos carnavalescos Leonardo Bora e Gabriel Haddad, contou com a personagem Estamira, eternizada em documentário e peça de teatro, a catadora de lixo que se comunicava com Exu através de um telefone encontrado no lixão de Jardim Gramacho.

APOIO-SITE-PICPAY

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

3 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.