‘A moda é racista’, diz Olivier Rousteing, o primeiro estilista negro no comando de uma grife feminina de luxo

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Criado por pais adotivos brancos em Bordeaux, cidade francesa, Oliver Rousteing, hoje com 33 anos, é o primeiro e único estilista negro no comando de uma grife feminina de luxo.  Em entrevista à revista Veja o estilista falou sobre preconceito no mundo da moda.

A carreira de Rousteing na moda começou quando o rapaz tinha apenas 25 anos.Olivier Rousteing foi contratado como estilista da Balmain, grife fundada em 1945 para atender a elite parisiense no pós-guerra. A crítica foi pesada em relação às suas roupas justas, considerando-as vulgar.

Em oito anos, porém, Oliver contribuiu para que o lucro da empresa passasse de 24 para 150 milhões de euros por ano. Rousteing ainda conquistou clientes como Kim Kardashian, Beyoncé e Rihanna e conta hoje com ele 5,4 milhões de seguidores no Instagram.

“Muitos analistas apontam que revolução da moda virá com a tecnologia, com tecidos que carregam o celular, ou feitos de materiais biodegradáveis. Tudo isso é importante, claro, mas antes há algo muito mais urgente para resolver: a moda precisa deixar de ser arcaica e racista. Eu não mostro apenas roupa, mas uma nova maneira de ver o mundo. Não adianta uma marca colocar três modelos negras na passarela, em um total de oitenta meninas, para mostrar diversidade. Há diversidade no time de criação ou vendas? Não? Então não passa de marketing. Certa vez, pedi ao dono de uma agência de modelos de Paris que me apresentasse mais modelos negras, e ele simplesmente não as tinha no seu elenco. Alegou que grifes e revistas não solicitavam negras” disse o estilista em revista a revista Veja.

Quando questionado se já foi vítima de racismo, Oliver reage: “Para começo de conversa, nunca fui vítima de nada. Já passei por experiências racistas ao longo da minha jornada, e posso garantir: o pior racismo não surge por parte daqueles que nos olham torto, mas, sim, de quem está ao lado, em silêncio, julgando tudo, sem fazer nada”.

APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, fundadora e CEO do portal Notícia Preta e podcaster do Canal Futura. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.