A ativista Alessandra Makkeda  será sepultada nesta terça

APOIE O NOTÍCIA PRETA

A ativista dos direitos LGBTI+, Alessandra Ramos Makkeda será sepultada nesta terça-feira (17), no Cemitério de Ricardo de Albuquerque, Zona Norte do Rio de Janeiro. A ativista faleceu na tarde do último domingo (15) após sofrer um mal súbito. Ela, que tinha 41 anos, morreu ao lado da mãe e do padrasto.

Alessandra morreu aos 41 anos, ao lado da mãe e do padrasto – Foto: Reprodução

Makkeda também será homenageada pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) na audiência pública “Enfrentar a discriminação contra LGBTI+ no Rio”, que realiza uma balanço das políticas públicas voltadas ao público, nas mais diversas esferas da administração pública, como educação, trabalho, saúde, assitência social, segurança e direitos.

Makkeda começou seu ativismo em meados dos anos 2000, no Grupo Arco-Iris, projeto de prevenção para homens gays com surdez e na organização da Parada do Orgulho LGBTI+. Além disso, ela fundou o Instituto Transformar Shelida Ayana, que atua no combate à LGBTIfobia.

Leia também: “Eu amo quando as mulheres negras ocupam espaço” diz a escritora nigeriana Chimamanda Adichie

Nas redes sociais, o Grupo Arco-Iris, lamentou a morte da fundadora. “O Grupo Arco-Íris está de luto e lamenta a partida precoce da doce e querida Alessandra Ramos na tarde deste domingo. Segundo a família, ela não estava se sentindo bem e na tarde de domingo teve um mal súbito, vindo à óbito”, escreveu.

Alessandra Ramos era assessora parlamentar da deputada estadual Dani Monteiro (Psol) e já havia atuado como assessora parlamentar do ex-deputado federal Jean Wyllys.

APOIO-SITE-PICPAY

Igor Rocha

Igor Rocha é jornalista, nascido e criado no Cantinho do Céu, com ampla experiência em assessoria de comunicação e escritor nas horas vagas. Editor e coordenador regional do Notícia Preta

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.