Um negro é morto por asfixia após abordagem da PRF na semana em que a morte de George Floyd completa dois anos

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Por Ana Minuto

Na mesma semana em que, após dois anos do seu assassinato, George Floyd foi homenageado com a escultura “Conversa com George” erguida num parque em Houston, Genivaldo de Jesus Santos de 38 anos e negro foi morto por asfixia, em Umbaúba, litoral sul de Sergipe, após ser trancado no porta-malas de uma viatura após abordagem da PRF (Polícia Rodoviária Federal).

Dois anos do assassinato de George Floyd – Foto: Reprodução

O que deveriam ser fatos isolados estão, infelizmente, se tornando cada vez mais comum. Segundo dados do Ministério Público de São Paulo (MPSP), os procedimentos para a investigação de denúncias de injúrias qualificadas saltaram de 97, em 2020, para 708 em 2021. Já a Secretaria da Justiça e Cidadania paulista contabilizou 134 denúncias apenas no primeiro trimestre de 2022 enquanto no decorrer do ano passado foram 155.

Nesses dois anos pouca coisa mudou. Essa é uma luta mais de 500 anos de racismo estrutural e um dos reflexos disso é o fato da sociedade ainda olhar para os negros como subalternos, ladrão, e, para mudar isto é preciso que tenha envolvimento da sociedade como um todo para criar um treinamento mental, emocional para que as pessoas comecem a enxergar que este pré-julgamento que discrimina, adoece e mata.

Leia também: Como canais de denuncia auxiliam na luta antirracista?

O aumento no número de denúncias é porque as pessoas estão mais conscientes que elas são consequências de racismo e que isto é muito errado. O fato da pena também ser em cestas básicas ou ações voluntárias para alguns não é tão importante. O ideal seria envolver uma perda financeira ou até de imagem.

Ana Minuto é CEO da Minuto Consultoria Empresarial & Carreira
APOIO-SITE-PICPAY

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.