Um ano após a morte de Cadu Barcellos, esposa do cineasta faz caixa de lembranças para filho do casal

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Esta semana completou um ano da morte do cineasta Cadu Barcellos e até agora a Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) ainda não concluiu o inquérito que investiga o crime. Cadu, que é cria do complexo da Maré, no Rio de Janeiro, tinha 34 anos e perdeu a vida quando voltava para casa na noite de 11 de novembro de 2020. O cineasta foi vítima de um ataque a facadas, na Avenida Presidente Vargas, no Centro do Rio.

Uma das hipóteses para o crime é de latrocínio, ou seja, roubo seguido de morte. A DHC ouviu transeuntes e caminhou pelo local do incidente, chegando a até uma câmera de ônibus, nela foi possível identificar um dos suspeitos que utilizou o RioCard do falecido, porém o caso segue sem enceramento. 

Para que o filho de Cadu nunca esqueça quem foi seu pai, a esposa da vítima, a fotógrafa Gabriela Alves, confecciona uma caixa de lembranças. Bernardo hoje com três anos, era muito apegado ao pai: “Eu quero que o Bernardo entenda diariamente o quanto ele foi amado pelo pai e isso está se materializando numa caixa de lembranças, nela tem camisa do Flamengo, matérias em jornais internacionais, fotos dele com o pai e no fim isso servirá para ele entender o quanto Cadu era uma pessoa maneira, bacana e que fazia muito pelos outros”, diz Gabriela. 

Cadu barcellos
Cadu e o filho Bernardo – Foto arquivo pessoal

Por ser um dos idealizadores da ONG Maré Vive, na comunidade da Maré no Rio e trabalhar para o programa Greg News, produzido pelo Portas dos Fundos, Cadu era uma pessoa conhecida e  querida. O que a família não imaginava era o quanto ele era amado:

“Vimos que ele era uma pessoa muito querida em vida, mas acho que nem ele fazia ideia do quanto,  ver essas homenagens acalenta um pouco o coração, dar uma aliviada”, diz Gabriela que entre as inúmeras homenagens póstumas que o marido recebeu, está um grafite na entrada da Vila dos Pinheiros, no Complexo da Maré.

Antes do ocorrido, o cineasta dirigiu o episódio ” Deixa voar” do longa “Cinco Vezes Favela – Agora por nós mesmos” de 2010,  também assinou a direção da série “Mais X favela”, lançado em 2011 e trabalhos  realizados em âmbito internacional. Gabriela contou que está colhendo esses trabalhos para mostrar ao filho. 

 Cadu Barcellos
Gabriella, Cadu e Bernardo – Foto: Arquivo pessoal

A Gabriela contou ter conhecido conhecido Cadu trabalhando e que houve uma troca: ” A gente se conheceu no trabalho e logo já houve uma grande troca, o Cadu sabia entrar e sair de qualquer espaço e no fim parece que essa união foi para ter o Bernardo, ele é a realização de um sonho e vai crescer sabendo disso, conta Gabriela. 

Após um ano do ocorrido, a família ainda sem respostas concretas segue aguardando o encerramento do caso. O disque denúncia segue abriu um cartaz pedindo informações sobre o caso.

Leia também : Cineasta Cadu Barcellos será velado no Cemitério da Penitência, no Rio

APOIO-SITE-PICPAY

Bruna Rocha

Bruna Rocha é a idealizadora do projeto fotográfico Um Olhar Preto, que tem como principal objetivo enaltecer e destacar as múltiplas belezas negras. Além disso, Bruna cursa Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade Jorge Amado, em Salvador/BA. Trabalhou como Repórter para Rede Bahia, também prestou serviços para Agência Mural de Jornalismo das periferia, atua como designer gráfico e filmaker.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.