TV Cultura cancela programa de Rap da TV aberta

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Na última sexta-feira (05), o elenco do programa Manos e Minas, da TV Cultura, recebeu a notícia de que o programa seria cancelado. A decisão foi tomada em junho deste ano pela nova direção da emissora junto à Fundação Padre Anchieta (FPA). O programa é apresentado atualmente pela também atriz, Roberta Estrela D’Alva.

De acordo com Vrass77 – diretor e produtor musical do programa, “a TV Cultura mandou embora os profissionais”. O programa existe desde 1993, inicialmente como quadro do “Metrópolis”, e desde 2008 como programa independente na grade. 

Arte publicadas nas redes sociais em apoio ao programa – Foto: Montagem/Divulgação

Em agosto de 2010, o então presidente da FPA, João Sayad, chegou a anunciar o fim do programa, que voltou ao ar em novembro, após grande pressão por parte dos movimentos de periferia, do hip hop e do rap.

O programa Manos e Minas exerce uma enorme representatividade para a população negra e periférica de São Paulo e demais localidades do país. O programa acompanha a produção da música negra e urbana em suas várias vertentes (rap, funk, funk carioca, soul, reggae, samba). Também são abordadas iniciativas e realizações da cultura de rua e do hip hop em seus diversos segmentos.

Pelo Twitter, os fãs lamentaram o cancelamento do programa.

“Lamento muito o fim do programa #manoseminas da #tvcultura… era a última voz da periferia na tv brasileira!” (@Rafodao10)

“tirar o #manoseminas do ar é um boicote a todas as pessoas pretas e periféricas que conseguiram um espaço pra sua arte na tv aberta por intermédio desse programa sem maldade, isso é uma mão gigante (e bem visível) abafando a voz da gente, que tristeza da porra q eu to” (@sigamarqes)

O  DJ do programa- Erick Jay, também lamentou e desabafou em storys de sua conta pessoal no Instagram. O programa dava visibilidade a projetos sociais também, como por exemplo, o Negralizando situado na Vila Guilherme, bairro na zona norte de São Paulo, cujo intuito da iniciativa é conscientizar e levantar debates sobre a negritude.

APOIO-SITE-PICPAY

Maysa Lima

Sul mato-grossense, graduada em Ciências Sociais. Em busca de um mestrado que modifique ainda mais o meu modo de pensar e agir. Estudante do cenário religioso e político – principalmente ao que tange as Redes Sociais. Sonhadora e amante do universo.

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.