Por unanimidade, STJ permite que três pessoas cultivem maconha medicinal em casa

APOIE O NOTÍCIA PRETA

A sexta turma do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) julgou e aprovou nesta terça-feira (14), por unanimidade, o processo que dá permissão para que três pessoas possam cultivar Cannabis sativa (maconha) para uso medicinal. Com isso, estas pessoas não vão responder criminalmente e não sofrerão qualquer tipo de penalização por parte do poder público para extrair  extrair o óleo medicinal da maconha para uso próprio.

Foto: Pixabay

O relator do processo, o ministro Sebastião Reis Júnior, disse em seu parecer, que não pode mais haver silêncio sobre o tema e que diversos países já discutiram e enfrentaram a questão. “Simplesmente taxar de maldita uma planta porque há um preconceito com ela, sem um cuidado maior em se verificar os benefícios que seu uso pode trazer, é de uma irresponsabilidade total”, apontou.

O ministro Rogério Schietti, relator de um dos três processos que estavam em trâmite pela liberação, citou em seu discurso o modo ineficaz da Anvisa e do Ministério da Saúde para regulamentação da maconha e que muitos pacientes acabam ficando sem o medicamento por não terem condições de importar.

“Hoje ainda temos uma negativa do Estado brasileiro, quer pela Anvisa, quer pelo Ministério da Saúde, em regulamentar essa questão. A Anvisa transferindo ao Ministério da Saúde essa responsabilidade, o Ministério da Saúde eximindo-se, dizendo que é da Anvisa. E assim milhares de famílias brasileiras ficam à mercê da omissão, inércia e desprezo estatal por algo que, repito, implica a saúde e bem-estar de muitos brasileiros, a maioria incapacitados de custear a importação dessa medicação”, informou.

Leia também: “Racismo não tem perdão”: jovem é acusado de roubar sombrinha em espetáculo no RJ

Apesar da decisão da sexta turma do STJ valer para os três casos especificamente, no  entendimento de alguns juristas, ela pode orientar resoluções em processos de instâncias inferiores que discutem o mesmo tema, porque abre um precedente.

Para Schietti, a discussão sobre a maconha é quase sempre carregada de preconceito e moralismo. “Porque quando se fala maconha, parece que tudo que há de pior advém dessa palavra, quando é uma planta medicinal como qualquer outra. Se possui alguns malefícios, produz muitos benefícios. Paremos com preconceito, com esse moralismo que atrasa o desenvolvimento do tema no âmbito do Poder Legislativo e obnubila (obscurece) o pensamento de juízes brasileiros”, finaliza o ministro.

APOIO-SITE-PICPAY

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.