STJ absolve desembargadora que publicou acusações falsas contra Marielle

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Ministros da Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) absolveram a desembargadora Marília de Castro Neves, que publicou acusações falsas contra Marielle Franco. A magistrada foi acusada de calúnia por fazer publicações falsas contra a ex-vereadora Marielle Franco (PSOL).

Os ministros acompanharam o voto da relatora, ministra Laurita Vaz e consideraram que as retratações da desembargadora, feitas em rede social e em uma carta, foram suficientes e dentro do que determina a lei para absolver a desembargadora que publicou acusações contra Marielle.

STJ absolve desembargadora que publicou acusações contra Marielle

Dois dias após a morte da parlamentar, a desembargadora Marília de Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ) usou suas redes sociais para fazer afirmações falsas que diziam que era engajada com bandidos da maior facção criminosa do Rio e que teria sido assassinada por ter “descumprido compromissos” com os traficantes.

Mil dias sem Marielle: assista ao documentário que conta a trajetória da vereadora

A queixa-crime contra a desembargadora foi movida por familiares da vereadora do Psol-RJ. “Temos certeza de que seu comportamento, ditado pelo seu engajamento político, foi determinante para seu trágico fim. Qualquer outra coisa diversa é mimimi da esquerda tentando agregar valor a um cadáver tão comum quanto qualquer outro“, escreveu a desembargadora.

STJ absolve desembargadora
Desembargadora Marília do Castro Neves, do TJRJ: STJ absolve desembargadora que publicou acusações contra Marielle

Íntegra da postagem da desembargadora que que publicou acusações falsas contra Marielle, em 2018:

A questão é que a tal Marielle não era apenas uma ‘lutadora’; ela estava engajada com bandidos! Foi eleita pelo Comando Vermelho e descumpriu ‘compromissos’ assumidos com seus apoiadores. Ela, mais do que qualquer outra pessoa ‘longe da favela’, sabe como são cobradas as dívidas pelos grupos entre as quais ela transacionava. Até nós sabemos disso. A verdade é que jamais saberemos ao certo o que determinou a morte da vereadora, mas temos certeza de que seu comportamento, ditado pelo seu engajamento político, foi determinante para seu trágico fim. Qualquer outra coisa diversa é mimimi da esquerda tentando agregar valor a um cadáver tão“.

APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e com especialização em audiovisual pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, assessora de imprensa e idealizadora do portal Notícia Preta, um site de jornalismo colaborativo. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

2 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.