Professora é vítima de racismo no interior de Minas

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Na manhã desta segunda-feira (2), uma professora de 41 anos foi alvo de racismo e injúria racial dentro de ônibus no município de Santos Dumont, Zona da Mata Mineira.

A professora Delydia Silva relata que estava sentada no banco do ônibus, quando um senhor entrou e não quis sentar ao seu lado. “Ele entrou, olhou para mim e disse: A macaca já está sentada. Eu perguntei: Você está me chamando de macaca? Quando eu disse que ele não poderia falar isso, porque era falta de respeito e até crime, ainda quis me intimidar dizendo que era policial aposentado e que não tinha medo de polícia, mas não é”, afirmou.

A professora Delydia Silva estava no ônibus em direção a Juiz de Fora – Foto: Arquivo Pessoal

Ainda de acordo com Delydia, durante a discussão, o senhor disse que não tem medo de polícia, que não seria preso por ser idoso. A professora relata ainda que, assim que entrou em contato com a polícia, o senhor tentou descer do ônibus. “Ele ficou na porta, querendo sair, mas não deixaram [os outros passageiros]. Ainda perguntou: Por que o ônibus está parado? Só por causa de uma bobeira dessa? Eu assumo que a chamei de macaca. Só respeitaram e não fizeram nada por ele ser idoso”, informou.

Já diante da PM, o idoso negou o crime e afirmou ter o costume de brincar com as pessoas e alegou que não chamou a professora de macaca. Ele foi detido e encaminhado para a Delegacia de Santos Dumont. Segundo a delegada do caso, Kênia Oliveira, ele não pagou a fiança e está preso. “Ele negou os fatos. Disse que não dirigiu a palavra à vítima. E sim que brincou com o cobrador o chamando de careca.”Ainda de acordo com a delegada, o idoso já responde a um processo em Barbacena por crime de injúria racial. A Polícia Civil vai encaminhar o inquérito para a justiça nos próximos dias.

APOIO-SITE-PICPAY

Fernanda De Souza

Graduada em jornalismo pela Centro Universitário Uni-BH, com 7 anos de experiência com Monitoramento de Notícia (Clipping Eletrônico). Atuação na elaboração de análises quantitativas e qualitativas que atende as necessidades da assessoria de comunicação.Vivência com produção e reportagem para revista, na área cultural.

1 Comment

  • É o q eu ensino a todos, foi vitima proceda, a profa procedeu chamando a polícia e registrando a ocorrência, até pq injúria racial é crime, pelas informações o criminoso foi parar no presídio, dentro da cadeia o marginal vai até integrar um movimento negro, senão já sabe, vai de ralo!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.