“Caso George Floyd é a oportunidade de se discutir a justiça racial”, diz Procurador-geral de Minnesota

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Primeiro negro a se tornar procurador-geral do estado de Minnesota, Keith Ellison, foi um dos responsáveis pela condenação de Derek Chauvin, policial que matou George Floyd em 25 de maio de 2020. Em entrevista ao Estadão, Ellison comentou sobre a morte de Floyd e a oportunidade que isso proporcionou de se discutir o racismo, mas afirma que tem muito trabalho a ser feito para que situações como essas não aconteçam mais. “Precisamos criar o hábito de processar a polícia quando ela viola a lei”, disse.

O procurador-Geral de Minnesota Keith Ellison Foto: John Autey/Pioneer Press

Para Ellison, o que fez com que a condenação do policial se tornasse possível foram os vários registros da morte de George Floyd que se espalharam pelo mundo, a constatação do que havia ocorrido. “Essa era uma situação em que muitas pessoas viram com seus próprios olhos. Foi tão chocante que eles não puderam virar as costas”, comenta.

Ele alerta também para mudanças que precisam ser feitas no legislativo local e nacional para que os policiais não fujam de suas responsabilidades, após atos como o de Chauvin. “Muitas coisas precisam ser feitas. A condenação passa a mensagem de que ninguém pode matar alguém e fugir da responsabilidade. E a mensagem de que ninguém é inferior na nossa sociedade, que não se pode fazer o que você quer com outra pessoa achando que outros não irão se importar”, ressalta Keith Ellison.

Perguntado sobre o porquê não acusou Chauvin de crime de ódio, o procurador explica que teria que provar por meio de testemunhas que a morte foi causada por questão racial. E que no caso o policial não usava nenhum símbolo que pudesse comprovar por si só que se tratava de crime de ódio. “Neste caso, o contexto é de preconceito racial, mas é difícil provar que Chauvin fez isso porque e Floyd era negro. Mas, mesmo que não tenha sido um crime de ódio, ainda era um crime que tinha implicações raciais, porque todo mundo nos EUA sabe que um homem branco rico nunca seria tratado assim”, exemplifica.

O procurador-geral deixa evidente que o que aconteceu no caso de George Floyd não foi uma justiça e sim uma responsabilização da morte. Segundo o The Washington Post, Keith Ellison vai liderar também as acusações contra a ex-policial Kim Potter, que matou o jovem Daunte Wright, em abril.

APOIO-SITE-PICPAY

Fernanda De Souza

Graduada em jornalismo pela Centro Universitário Uni-BH, com 7 anos de experiência com Monitoramento de Notícia (Clipping Eletrônico). Atuação na elaboração de análises quantitativas e qualitativas que atende as necessidades da assessoria de comunicação.Vivência com produção e reportagem para revista, na área cultural.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.