“Precisei gritar para o homem parar de me seguir”, afirma Tia Má, vítima de racismo em supermercado de Salvador 

APOIE O NOTÍCIA PRETA

A jornalista Maíra Azevedo, mais conhecida como “Tia Má”, denunciou ter sofrido racismo dentro do supermercado G Barbosa, em Vilas do Atlântico, bairro de Lauro de Freiras, na Região Metropolitana de Salvador, nesta segunda-feira (21). Ela falou sobre o caso em uma publicação nas redes sociais, que recebeu mais de 25 mil curtidas, em menos de sete horas. Em entrevista ao G1, Tia Má contou que ficou paralisada com a situação e chorou ao entrar no carro. “Fiquei paralisada e, ao entrar no carro, chorei, só agora consegui escrever, porque dói demais…precisei gritar para o homem parar de me seguir, e ele me seguindo, estava me sentindo coagida” , escreveu.

A jornalista Maíra Azevedo, a Tia Má. Foto: Reprodução Redes Sociais

Também de acordo com a influenciadora, um segurança do supermercado a seguiu no local, o que foi denunciado para a gerente, que tentou negar o fato. “O ‘segurança’ te segue…e ao falar com a gerente, primeiro tenta negar o fato, mas ao perceber que eu não era uma pessoa desinformada a mesma concordou e disse que falaria com o funcionário, mas fiz questão de reafirmar que não é um problema dele e sim da loja, pois se ele está a serviço do mercado é o @gbarbosa_oficial que estava me seguindo e me colocando como suspeita”, relatou Maíra. 

Leia também: Polícia investiga denúncia de racismo e nazismo em instituição federal no MS 

Em postagem no Twitter, Tia Má foi mais incisiva no relato: “Fui falar com a gerente e fiz questão de dizer que essa é uma abordagem inclusive violenta. Porque colocar um homem para seguir uma mulher nos causa medo. Será que não aprendem? Quando os ‘outros’ roubam dizem que é transtorno, quando a gente apenas chega somos suspeitos.”, escreveu. 

Em nota, o GBarbosa disse que se solidariza com o sentimento da cliente e apura a situação relatada de forma cuidadosa e criteriosa. O supermercado alegou que não compactua com esse tipo de ação ou comportamento que possa ser ou parecer um ato de discriminação e racismo. 

APOIO-SITE-PICPAY

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

1 Comment

  • […] Leia também: “Precisei gritar para o homem parar de me seguir”, afirma Tia Má, vítima de raci…Em entrevista ao jornal O DIA, Larissa disse que o caso afetou a rotina de preparação para um dos momentos mais importantes em sua trajetória de 12 anos no Salgueiro, já que será a primeira vez que ela vai desfilar como rainha dos passistas na Avenida. “Tenho ensaio técnico marcado para o próximo domingo e eu precisei concentrar minhas forças neste momento para ir até a delegacia, querendo ou não acaba sendo um desagaste.”  […]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.