“Mulher das cavernas”: Rainha dos passistas do Salgueiro, Larissa Reis denuncia caso de racismo

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Um homem identificado como Joubert Moreno será intimado a depor nos próximos dias por ofensas racistas a Larissa Reis, de 24 anos, rainha dos passistas da escola de samba carioca Acadêmicos do Salgueiro. Ele escreveu uma mensagem ofensiva a passista na página Portal do Samba com dizia o seguinte: “A mulher das cavernas. Esse povo perde a mão na quantidade de cabelo. É muito feio. Capitão caverna”. Em seguida, após ser chamado de racista por outros seguidores da página, ele diz que se considera mestiço e rebate os comentários: “Meu lugar de fala será sempre onde eu quiser. Aquela peruca é exagerada, na minha opinião, e não valoriza a beleza daquela mulher. Se alguém considera isso racismo, eu fico até com pena dessas pessoas.” 

A rainha dos passistas do Salgueiro, Larissa Reis, foi alvo de comentários racistas nas redes sociais. Foto: Reprodução Redes Sociais

Diante do fato, a rainha dos passistas registrou um boletim de ocorrência na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), nesta terça-feira (22). Vale lembrar que o comentário racista foi escrito por Joubert em uma publicação onde Larissa aparece sambando durante o ensaio técnico da escola de samba Acadêmicos do Cubango, no último sábado (19), na Sapucaí. O homem é morador de Niterói, na Região Metropolitana do Rio. 

Leia também: “Precisei gritar para o homem parar de me seguir”, afirma Tia Má, vítima de racismo em supermercado de Salvador  
Em entrevista ao jornal O DIA, Larissa disse que o caso afetou a rotina de preparação para um dos momentos mais importantes em sua trajetória de 12 anos no Salgueiro, já que será a primeira vez que ela vai desfilar como rainha dos passistas na Avenida. “Tenho ensaio técnico marcado para o próximo domingo e eu precisei concentrar minhas forças neste momento para ir até a delegacia, querendo ou não acaba sendo um desagaste.” 

Também de acordo com a reportagem, Larissa disse que essa não foi a primeira vez que foi alvo de ofensas de cunho racista, mas que foi a primeira vez que viu a necessidade de registrar uma ocorrência. “Me mantenho forte porque preciso, por mais que machuque. Agora preciso ser racional, preciso me articular. Sou preta há 24 anos e mesmo que de uma forma inconsciente, nós pessoas pretas, vamos nos acostumando com o racismo e suas nuances, mas o que não significa que deixaremos impune.”, disse a passista, que se considera bem resolvida sobre o cabelo que gosta de usar. 

Vale destacar que a agremiação vermelha e branca da Zona Norte carioca vai levar para a Sapucaí o enredo “Resistência”, que vai retratar lugares importantes do Rio de Janeiro que ficaram marcados como pontos de cultura negra na cidade. 

APOIO-SITE-PICPAY

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

2 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.