Plano de saúde ficará mais caro: reajuste pode ser de até 15,5%

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Desde o ano 2000 os planos de saúde não tem um reajuste tão alto. A diretoria da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) aprovou o reajuste de 15,5% dos planos individuais e familiares para o período de maio de 2022 até abril de 2023. 

O reajuste será aplicado aos planos médico-hospitalares com aniversário no período de maio de 2022 a abril de 2023, contratados a partir de janeiro de 1999 ou que foram adaptados à nova legislação (Lei nº 9.656/98).

No Brasil, mais de 48 milhões de pessoas possuem um plano de saúde. Os dados são de 2021, ano em que o setor obteve o maior número de beneficiários desde janeiro de 2016, segundo a ANS. De acordo com a agência, a maioria de usuários de planos de saúde são mulheres e representam 53% dos clientes, enquanto os homens são 47% dos contratantes. A maioria dos que possuem plano de saúde os tem na modalidade empresarial (68%). Seguidos pelo individual (18%) e pelo coletivo por adesão (13%).

ANS estabelece teto para reajuste de planos de saúde individuais e familiares
Foto: Pexels

LEIA TAMBÉM: Operadoras de plano de saúde devem R$ 2,9 bilhões ao SUS

O reajuste anual é calculado com base nas variações das despesas com atendimento aos beneficiários, intensidade de utilização dos planos pelos clientes e inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Mesmo com dificuldades financeiras, população tem priorizado manter o benefício na hora de definir o orçamento familiar. Pesquisa Anab de Planos de Saúde indicou que serviço é considerado a 3ª maior conquista do brasileiro em 2021. Na faixa etária acima de 50 anos, benefício só perde para a casa própria em importância. Para aposentados, é prioridade absoluta e supera a moradia

APOIO-SITE-PICPAY

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.